O que muita gente já suspeitava finalmente foi confirmado no finalzinho desta semana: um dos principais mensageiros instantâneos da China repassa mesmo os seus dados para o governo do país. A descoberta foi feita graças a uma atualização dos termos de privacidade do WeChat.

De acordo com o portal The Next Web, a nova versão do documento deixa claro que o aplicativo pode “reter, preservar e divulgar suas informações pessoas por um longo período de tempo” por conta de uma série de fatores.

Com isso, o serviço pode expor nome, contatos, email e até localização do usuário com terceiros: para cumprir ordens judiciais ou colaborar com pedidos do governo; sempre que a empresa acreditar que alguma lei ou regulação local tiver sido quebrada; e com o objetivo de proteger os direitos e a segurança da empresa, de parceiros ou dos próprios clientes do app.

A suspeita é que, até agora, a Tencent – dona do WeChat – já fazia esse tipo de papel mesmo sem alertar aos internautas, basicamente passando por cima da privacidade alheia para auxiliar as autoridades chinesas na sua luta por manter a internet do país cada vez mais fechada e controlada.

Fica a dica

Enquanto na China os usuários não têm muitas alternativas ao programa, quem mora em outras localidades pelo mundo e se preocupa para a segurança dos seus dados pode preferir a utilização de outros mensageiros no celular.

Cupons de desconto TecMundo: