Está oficialmente hasteada a bandeira branca na guerra travada há mais de um ano entre Microsoft e Kaspersky. Ambas as empresas encontraram um ponto em comum nas recentes discussões e acertaram um acordo de paz.

Em uma postagem no blog do Windows, a Microsoft confirmou mudanças para a próxima atualização do Windows 10 e se comprometeu a trabalhar de perto com as desenvolvedoras de antivírus para estreitar a relação com essas marcas, evitando novos conflitos.

A partir de agora, empresas como a Kaspersky podem criar alertas e notificações próprios para avisar os usuários de atualizações do sistema ou renovação de licença. Além disso, quando o aplicativo expirar, será mais difícil ignorar a janela de anúncio — seja para ampliar o tempo de uso do programa ou trocar para outro serviço.

Recapitulando...

A briga começou ainda em 2016, quando o presidente da companhia russa, Eugene Kaspersky, acusou a gigante norte-americana de práticas anticompetitivas e de priorizar o próprio serviço no sistema operacional, o Windows Defender.

A Microsoft estaria escondendo avisos de atualização dos antivírus rivais e, caso notasse que eles estavam defasados, trocava automaticamente a proteção padrão pelo software da casa. Nem é preciso dizer o quanto isso enfureceu a Kaspersky e outras empresas de segurança.

As reclamações de Eugene deram resultado.

No fim das contas, foi a própria companhia de Redmond quem cedeu e cumpriu as exigências do outro lado.

Como primeira desculpa, a Microsoft confessou que desinstala volta e meia antivírus de concorrentes, mas disse que só faz isso quando eles passam a ser incompatíveis com a versão do Windows.

E já temos consequência direta dessas novas práticas. A Kaspersky se comprometeu a retirar os processos antitruste homologados na Europa. Segundo a companhia, as marcas tiveram "conversas frutíferas" sobre "como serviços de antivírus devem operar no ecossistema Windows para garantir um ambiente seguro para os usuários".