Imagem de: Veja como são feitos os testes de roupas térmicas que suportam até 1.000 °C

Veja como são feitos os testes de roupas térmicas que suportam até 1.000 °C

1 min de leitura
Avatar do autor

Uma das premissas da produção de uma roupa que seja resistente ao fogo e ao calor é, bem, colocar fogo nela! A grande questão, no entanto, é como você conseguiria avaliar o quanto do calor efetivamente chegaria ao corpo da pessoa que estaria usando a roupa especial?

A DuPont encontrou a solução através do Thermo-Man, um manequim desenvolvido especialmente para esses testes de resistência. Não pense, no entanto, que ele foi feito apenas para vestir a roupa e ser penalizado frequentemente por lançadores de chamas: o boneco conta com 122 sensores de calor que medem o aumento de calor em sua superfície.

Thermo-Man fazendo o trabalho que outras pessoas não acharam muito vantajoso fazer

Os dados servem para estimar o percentual e a posição de possíveis queimaduras de segundo e terceiro graus que uma pessoa sofreria caso fosse exposto às mesmas condições do teste. Isso, por sua vez, atesta a eficiência da resistência das roupas.

No caso da DuPont, os testes comparam diferentes materiais, entre algodão tratado quimicamente até o avançadíssimo Nomex, que é utilizado em trajes de bombeiros, macacões de pilotos de aviões e carros de corrida, mas tem como seu principal foco os uniformes de trabalhadores industriais que, na maioria das vezes, precisam de proteção contra o calor, chamas, fogo, calor e respingos de metal derretido.

Recentemente, a empresa trouxe um Thermo-Man para o seu Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Paulínia, em São Paulo, para conduzir alguns testes entre um traje de Nomex e outro feito com algodão tratado. Como é de se imaginar, o algodão não se saiu tão bem quanto o material desenvolvido para ser altamente resistente.

Você já conhecia trajes feitos de Nomex? Comente no Fórum do TecMundo

Fontes

Veja como são feitos os testes de roupas térmicas que suportam até 1.000 °C