Todo mundo sabe que uma senha já não é o suficiente para te proteger de ataques cibernéticos – e é por isso que, felizmente, é cada vez mais comum vermos indivíduos e empresas adotando métodos de autenticação mais complexos, que envolvem uma etapa extra para que o usuário possa fazer login em um sistema ou realizar uma transação financeira.

Nesse cenário, uma empresa global com raízes brasileiras vem se destacando no mercado por oferecer soluções inovadoras tanto para o consumidor final quanto para o setor corporativo. Estamos falando da Datablink – ou BRToken, como a companhia era originalmente conhecida. Após uma fusão com uma marca estrangeira, em 2014, a empresa ganhou uma sede nos EUA, trocou seu nome para o atual e adotou uma estratégia de negócios internacional.

O principal produto da Datablink é o Device 200, um token dotado de uma pequena câmera e capaz de se comunicar com o back-end da instituição financeira. Funciona assim: ao fazer uma transferência bancária, por exemplo, você informa os dados da conta favorecida e a quantia que deseja enviar. Esses dados são enviados para o servidor do banco, e, para confirmar a transação, o usuário usa o gadget para ler uma imagem que pisca em um padrão único.

O Device 200, principal produto da Datablink

Protegendo suas operações bancárias

O Device 200 decifra esse padrão de preto/branco como números binários e mostra em sua telinha todos os dados que a instituição recebeu em seu servidor. Caso você esteja sofrendo um ataque do tipo man-in-the-middle (ou seja, existe um criminoso interceptando a comunicação entre sua máquina e o banco, alterando os dados da transferência para que o dinheiro seja enviado para a conta dele), você perceberá que existe algo de errado e terá a chance de cancelar a operação.

A companhia provê segurança para mais de cinco milhões de transações diariamente

Por outro lado, se todos os dados estiverem de acordo com aqueles que você digitou, o token vai gerar uma senha numérica única que deve ser informada no site do banco para autorizar o envio de dinheiro. Embora o setor financeiro seja o primeiro a vir em nossa mente quando pensamos em autenticação avançada, vale a pena observar que o Device 200 também pode ser usado para outras finalidades – como fazer login em sistemas privados e bancos de dados sigilosos.

E não pense que a empresa se limita aos tokens físicos: ela também desenvolve outras soluções bem interessantes para impedir fraudes bancárias. Uma de suas mais novas investidas, por exemplo, é a Mobile 200, plataforma que emite notificações no seu celular sempre que seu cartão de crédito ou débito for utilizado para realizar uma compra. O usuário precisa confirmar a transação pelo próprio smartphone para que ela seja aceita pelo estabelecimento.

Em seu portfólio de clientes, a Datablink destaca nomes como TOTVS, Bradesco, Sofisa e Daycoval. No total, a companhia provê segurança para mais de 5 milhões de transações diariamente. De acordo com Cesar Lovisaro, VP da empresa para o Brasil, a ideia agora é expandir a atuação da marca para a Ásia (que é um mercado deficiente de boas soluções de segurança cibernética), Estados Unidos e América Latina.

Você já usou um token físico para fazer login ou transferir dinheiro no banco? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: