Não são raros os casos em que os trabalhadores chineses sofrem com as políticas trabalhistas da China — infelizmente, devido ao índice de desemprego e a facilidade que os empregadores encontram para substituir funcionários, a população mais pobre se submete a isso. Mas se você acha que esse problema é exclusivo do país mais populoso do mundo, está muito enganado.

Outra nação asiática que sofre com problemas similares é o Vietnã. E com a possibilidade de encontrar mão-de-obra ainda mais barata — informações de que o salário mínimo de lá varie entre US$ 90 e US$ 130 —, a Samsung investiu cerca de US$ 3,2 bilhões na construção de uma nova fábrica por lá. Ela ainda não está aberta, mas já demonstra que a empresa sul-coreana terá problemas no mercado internacional, caso não intervenha nas políticas trabalhistas do local.

Há alguns relatos que apontam para uma grande confusão entre trabalhadores nesta semana. E o motivo para isso teria sido a agressividade de vigias da fábrica contra os próprios funcionários. Segundo o que relata o site NDTV, a polícia vietnamita estaria investigando o acontecimento, que culminou no ferimento de 13 pessoas, quatro delas em estado grave.

O início da confusão

Alguns dos trabalhadores da fábrica relataram à Agência de Notícias Francesa que tudo começou quando um operário da empresa chegou atrasado ao local. Ao tentar entrar para iniciar suas atividades, os seguranças o agrediram fisicamente. Quando isso aconteceu, centenas de outros trabalhadores teriam se armado com tijolos e pedras para atingir os seguranças, além de atearem fogo em contêineres utilizados como escritórios.

Quanto aos feridos no caso, há relatos que afirmam que dos 13 feridos, nove eram vigias da fábrica e quatro seriam policiais que tentavam separar a confusão. No vídeo postado no topo da notícia você pode conferir um pouco de como ficou a situação da fábrica após a confusão. Em comunicado, a Samsung afirmou que tudo foi apenas uma “breve alteração dos ânimos”, mas que a estrutura não foi afetada.

Cupons de desconto TecMundo: