Em um ano no qual os novos AirPods da Apple chamaram a atenção por suas capacidades e por seu preço elevado, a Samsung se adiantou ao trazer antes ao mercado o Gear IconX. Voltado a praticantes de esportes, o fone de ouvido tem como principal qualidade o fato de proporcionar uma experiência totalmente wireless.

Ao contrário do que é visto em outros fones de ouvido “sem fio”, não há qualquer ligação física entre as unidades do produto que se encaixam em sua orelha. Isso proporciona uma experiência de uso bastante prazerosa, permitindo que você se movimente livremente sem o medo de “enganchar” em algum objeto ou pessoa.

No entanto, alguns problemas de execução impedem que o Gear IconX se torne a experiência definitiva para quem está disposto a pagar caro nele. Após uma semana usando o dispositivo, ainda me surpreendo com algumas de suas tecnologias — ao mesmo tempo em que fico com a impressão de que muitas delas ainda mereceriam ser mais bem desenvolvidas antes de estarem presentes em um acessório vendido comercialmente.

Design

À primeira vista, o design do Gear IconX lembra um pouco a construção de aparelhos que ajudam pessoas com problemas de audição. Muito disso se deve ao formato arredondado e um pouco “gordinho” que o dispositivo tem, com direito à presença de uma pequena alça superior — algo que assegura um encaixe mais firme em sua orelha.

O gadget se destaca pela completa ausência de fios

Os fones adotam o sistema intra-auricular, o que resulta em saídas de som protuberantes que ficam encaixadas em seu canal auditivo — novamente, algo que ajuda a impedir que eles caiam durante a prática de exercícios. No pacote, a Samsung oferece três tamanhos diferentes de borrachas (pequena, média e grande) para assegurar que pessoas com cabeças de tamanhos diferentes possam usar o gadget sem qualquer problema.

O Gear IconX não apresenta qualquer espécie de botão

Ao contrário do que acontece com outros fones sem fio, o Gear IconX não apresenta qualquer espécie de botão. Para determinar os momentos em que deve ficar ligado, o aparelho usa sensores de batimento cardíaco presentes na parte traseira de cada unidade — que só passam a funcionar a partir do momento em que ambas são encaixadas na orelha.

Outro diferencial do conjunto é a base de recarga que também serve como um case de proteção para o dispositivo. Contando com uma bateria interna própria, o acessório também serve como uma forma de recarregar a bateria dos fones nos momentos em que não há uma tomada ou computador com conexão USB disponível.

O IconX é um fone de ouvido construído mais com a intenção de ser funcional do que para trazer um grande impacto visual. Isso não quer dizer que ele é feio, simplesmente que ele se concentra em cumprir as funções a que foi desenvolvido, não entrando na categoria de fones que também servem como peças de expressão da personalidade do usuário.

Você vai ter que usar um smartphone para desbloquear todo o potencial dos fones

A necessidade de manter o produto fixo às orelhas também faz com que ele provoque desconforto depois de certo tempo de uso. Infelizmente, esse parece ser o preço a se pagar para ter um dispositivo totalmente sem fios — que, em último caso, servem como método de proteger produtos convencionais de quedas capazes de danificá-los.

Desempenho

O IconX sem dúvida é um fone de ouvido que cumpre aquilo a que se propõe: funcionando totalmente sem fio, o dispositivo pode ser pareado a um celular ou usado de forma individual para proporcionar a possibilidade de escutar músicas enquanto você faz atividades físicas. No entanto, alguns pontos impedem que ele seja perfeito.

O case de proteção também recarrega a bateria do IconX

Para usar o fone de ouvido de maneira adequada é imprescindível possuir o aplicativo Samsung Gear instalado em seu smartphone. Além de servir como forma de realizar o pareamento inicial do fone de ouvido com seu aparelho, o software é essencial para alternar entre as músicas contidas no dispositivo e aquelas que você pode armazenar na memória interna do IconX.

O software também permite observar o nível de bateria individual de cada saída de som, ajustar o volume geral da unidade, configurar notificações e ajustar o idioma do sistema de áudio. Também há opções que podem ser acessadas através dos comandos de toque do GearX, incluindo o início e o fim de exercícios (algo que exige a instalação complementar do S Health) e a ativação do sistema “Som Ambiente” — algo que garante que você não vai se isolar do mundo ao redor quando estiver praticando atividades físicas ao ar livre.

O fone de ouvido da Samsung é bastante competente em se comunicar com os aplicativos da empresa

O fone de ouvido da Samsung é bastante competente em se comunicar com os aplicativos da empresa, se mostrando capaz de medir com precisão a maneira como seu corpo se comporta durante um exercício. O dispositivo não somente registra sua média de batimentos cardíacos durante a atividade como também envia alertas sobre seu deslocamento, com direito a vozes em português brasileiro.

Embora tenha demorado um pouco para me habituar aos controles de toque, considerei eles essenciais para o funcionamento do gadget. Diferentes gestos e quantidades de toques são usados para controlar a reprodução de unidade, sendo que deixar o dedo sobre uma das unidades inicia ou pausa exercícios, bem como ativa o modo de “Som Ambiente” ou dá mais detalhes sobre a atividade — ações que se tornam bastante intuitivas depois de um breve período de adaptação.

A qualidade sonora do Gear IconX é moderada, mas fica claro que o objetivo da companhia não é oferecer uma experiência de alta fidelidade. Priorizando frequências graves, o dispositivo tem um palco sonoro um tanto reduzido e não é a melhor opção para ouvir podcasts. No entanto, quem só quer ouvir suas canções favoritas enquanto corre ou caminha não vai ter muito a reclamar nesse sentido.

Dependência de meios externos

O que me decepcionou um pouco foi a grande dependência que o Gear IconX tem de um smartphone para funcionar direito: sem um aparelho do tipo, não há qualquer possibilidade de registrar suas atividades físicas. O headphone também depende de um aparelho para que você possa acessar sua memória interna — algo que impede que ele continue funcionando como um fone Bluetooth convencional.

Até mesmo a memória interna do IconX depende de um smartphone para ser acessada

Para completar, o IconX é um dos primeiros dispositivos da categoria a depender de atualizações de firmware feitas através da conexão com um computador. Você também vai precisar de uma máquina do tipo para transferir as músicas que deseja ouvir para a memória interna do dispositivo.

Uma curiosidade nesse sentido é o fato de que cada unidade conta com 4 GB de armazenamento, mas isso não significa 8 GB de espaço total. Ao adicionar suas músicas através do software da Samsung, elas são enviadas para ambos os fones, que as reproduzem de maneira individual — porém sincronizada.

Nesse ponto, o uso da memória interna acaba sendo vantajoso, visto que não há as interferências de áudio comuns quando você está ouvindo canções presentes em um smartphone. Infelizmente, a perda de sinal é algo bastante comum nessa configuração clássica, mesmo que você use o software de configuração para mudar a unidade do fone que “conversa” com seu celular.

Bateria: um ponto fraco

O ponto fraco do Gear IconX e que faz ele se parecer mais próximo de uma prova de conceito do que de um produto finalizado é sua bateria. Usado em sua forma mais econômica (pareado com um smartphone com intensidades de som moderadas), o dispositivo exige uma recarga após somente 3 horas de uso.

A duração da bateria dificilmente ultrapassa 3 horas de uso contínuo

Esse valor diminui para menos de 2 horas quando reproduzimos as músicas adicionadas à memória interna do acessório. Embora o produto claramente seja voltado somente aos momentos em que você está realizando atividades esportivas, esses valores são considerados baixos sob qualquer ponto de vista.

Esse problema é compensado um pouco pelo fato de que o case de proteção também é capaz de recarregar o gadget, mas o acessório ainda traz certas limitações. Apto a de segurar uma quantidade pequena de carga, ele é consegue recarregar os fones de ouvido somente de duas a três vezes antes de também ter que ser conectado a uma fonte de energia.

Vale a pena?

O Samsung Gear IconX é baseado em uma ideia muito boa, mas a fabricante sul-coreana ainda tem que trabalhar em certos pontos de sua execução para torná-lo algo obrigatório. Ele cumpre bem o propósito de ser um fone de ouvido que livra o usuário de fios durante suas atividades físicas, mas vem acompanhado de uma série de “poréns” importantes.

Mesmo atraente, o Gear IconX ainda não pode ser considerável indispensável

Além de não ser exatamente confortável para sessões de uso longas, o gadget tem baterias com duração máxima bastante limitada — o que vai fazer você se tornar bastante dependente de estações de recarga. E mais, ele é muito dependente de um smartphone para que seu potencial seja totalmente usado — algo que se estende ao ponto de que sua memória interna só pode ser acessada com a ajuda de outro dispositivo.

Também não é possível ignorar o preço cobrado pelo produto no Brasil: embora seja compreensível que novas tecnologias custem caro, a cifra oficial de R$ 1.399 é bastante exagerada. Pelo mesmo valor é possível comprar um fone Bluetooth mais convencional — mas com bateria maior — ou investir de uma vez na compra de um ótimo fone de alta fidelidade.

O IconX é um bom passo inicial para a Samsung e prova de que é possível criar um fone de ouvido inteligente que não depende de nenhum fio. No entanto, a empresa ainda precisa melhorar áreas essenciais como conforto e duração de bateria para que gerações futuras do gadget sejam atraentes o bastante para convencer consumidores a considerarem o investimento pedido por ele em terras brasileiras.

Cupons de desconto TecMundo: