(Fonte da imagem: Reprodução/Kotaku)

Há pouco mais de um mês circulou a chocante notícia de que a Foxconn, empresa chinesa contratada para montar os aparelhos do PS4, havia usado estudantes universitários do país para trabalharem praticamente forçados – informações que a própria companhia admitiu serem verdadeiras. Agora, com o lançamento do console e uma série de defeitos técnicos sendo revelados, começaram a ganhar força rumores de que os ditos alunos teriam sabotado a Sony.

De acordo com uma postagem recente nos fóruns do IGN, um dos estudantes supostamente alegou em uma publicação do dia 28 de agosto em uma página do Instituto Norte da Universidade Tecnológica de Xi’an — a faculdade de onde vieram os trabalhadores forçados — que, já que a Foxconn não os tratou bem, eles não seriam cuidadosos com o PS4. “O console que nós montarmos poderá apenas ser ligado, no melhor dos casos”, conclui.

O tópico já foi apagado, podendo ter sido alvo de censura ou simplesmente removido por não ser verdadeiro. No entanto, uma série de detalhes indica que a história tem muito menos credibilidade do que um olhar desatento poderia nos fazer pensar.

(Fonte da imagem: Reprodução/IGN)

Desmentindo e redirecionando

Mais recentemente, outra postagem sobre o assunto surgiu no site da universidade em questão, com um suposto estudante destacando que os alunos chineses não chegam a constituir sequer um décimo do total de trabalhadores nas instalações de Yantai da Foxconn. “Eles enviaram mais de 20 mil funcionários vindos de Guizhou. Além disso, também havia muitos alunos locais e empregados antigos da empresa nas fábricas”, acrescentou.

O mesmo usuário posteriormente culpou os taiwaneses pelas duras condições de trabalho na empresa que montou o PS4 (a Foxconn é uma companhia de Taiwan, e não da China). Ele também recomendou que quem tiver problemas com seu aparelho simplesmente procure os departamentos de controle de qualidade da Sony. Cabe ressaltar que a Nintendo e a Microsoft também terceirizaram a montagem de seus consoles para a Foxconn.

(Fonte da imagem: Reprodução/tieba.baidu.com)

A parte mais curiosa dos rumores é que as noticias chinesas a respeito das alegações de sabotagem por estudantes estagiários parecem ser praticamente todas originadas dos fóruns do IGN, o que significa que são informações vindas de fontes não confirmadas. Outro ponto importante é que o usuário que traduziu as postagens originais do chinês havia criado sua conta na página de discussão há menos de uma semana.

O membro que fez a postagem, com o apelido Qbroid, criou um novo tópico após o anterior ter sido trancado. Na nova mensagem, ele explica que estava simplesmente trazendo conteúdo que já estava online na China há meses antes de ser levado aos fóruns do IGN. Embora admita que não há como se certificar de que o conteúdo é genuíno, ele afirma que ignorá-lo seria como “enfiar a própria cabeça embaixo da terra”.

Com todos esses rumores e essas histórias sobre funcionários explorados, o que resta é o desapontamento pelo fato de a Sony não ter simplesmente produzido o PlayStation 4 em uma de suas instalações, com seus próprios empregados. É inevitável pensar que a maior parte dos problemas provavelmente teria sido evitada dessa forma.

Via BJ

Cupons de desconto TecMundo: