Novo desafio “quebra-crânio” viraliza na web, mas traz riscos reais

1 min de leitura
Imagem de: Novo desafio “quebra-crânio” viraliza na web, mas traz riscos reais
Avatar do autor

Um novo desafio viral entre estudantes venezuelanos ganhou destaque na internet nos últimos dias e já começou a chegar a algumas escolas brasileiras, gerando preocupação entre pais e professores devido aos perigos da prática.

Chamada de “quebra-crânio”, a brincadeira é realizada com a participação de três pessoas, que ficam lado a lado. Enquanto as duas das extremidades pulam, a do meio, que não sabe como o jogo funciona, pula também. E é neste momento que os dois aplicam uma rasteira no participante desavisado, causando a sua queda.

Vários vídeos com o novo viral têm circulado no WhatsApp e em muitas redes sociais, mas um deles ganhou maior destaque. Gravado no início de fevereiro em uma escola de Caracas (Venezuela), ele mostra um garoto caindo após a rasteira e batendo a cabeça violentamente no chão. Veja abaixo:

Utilizando o Twitter, o Colégio São Tomás Aquino confirmou que a gravação ocorreu na instituição e que os envolvidos e os seus responsáveis foram convocados para uma reunião. A instituição não revelou detalhes sobre o estado de saúde do menino, mas a imprensa local informou que ele passa bem, contrariando os boatos de que o jovem havia sofrido traumatismo craniano.

Riscos para a saúde

A nova brincadeira já viralizou entre os estudantes brasileiros, como mostram alguns vídeos que circulam nas redes sociais, trazendo participantes que parecem ter se machucado e até ficado desacordados após baterem a cabeça no chão.

Com isso, muitos especialistas têm chamado a atenção para os riscos que este novo viral traz. Ele pode causar, por exemplo, traumatismo craniano, levando ao coma e até mesmo à morte, dependendo da gravidade.

Há ainda o risco de fratura nos punhos, caso o participante caia sobre as mãos na tentativa de amortecer a queda, além de fraturas na coluna, mesmo que a altura não seja grande.

Novo desafio “quebra-crânio” viraliza na web, mas traz riscos reais