Para professor, Mark Zuckerberg é o homem mais perigoso do mundo

1 min de leitura
Imagem de: Para professor, Mark Zuckerberg é o homem mais perigoso do mundo
Avatar do autor

Não restam dúvidas de que Mark Zuckerberg é uma das pessoas mais influentes do mundo. As aplicações comandadas por ele (Instagram, Facebook e WhatsApp) têm grande participação na vida de muitas pessoas internacionalmente, e isso, na visão de um professor nova-iorquino, torna o CEO extremamente perigoso.

Docente da Escola de Negócios da Universidade de Nova York e palestrante, Scott Galloway não poupou Zuckerberg de suas críticas. "Mark Zuckerberg está tentando criptografar o backbone (rede principal de dados dos usuários) entre o WhatsApp, o Instagram e a plataforma principal, o Facebook, de tal forma que ele tem uma rede de comunicação de 2,7 bilhões de pessoas", disse o professor para a Bloomberg sobre o anúncio recente da integração entre as aplicações do Facebook. Por fim, indagou: "O que poderia dar errado?".

Galloway: "Eu acho que Mark Zuckerberg é o homem mais perigoso do mundo". (Fonte: Bloomberg/Reprodução)

O que poderia dar errado?

Segundo o palestrante, as pessoas deveriam estar preocupadas com o domínio do CEO nas redes sociais mais populares do mundo, o que enfraquece uma das ferramentas da sociedade para ter acesso a informação, diversidade de meios de comunicação, fontes e de pontos de vista. O fato de Zuckerberg ter controle sobre os algoritmos desses apps pode criar ondas de desinformação, algo que o Facebook diz estar combatendo constantemente.

Artifícios contra o governo

No fim de julho, o departamento de justiça norte-americano estava abrindo uma análise de violação da lei antitruste para várias das maiores companhias do país, mas sem revelá-las, segundo uma reportagem do Wall Street Journal. A união das três plataformas poderia ajudar na defesa de Mark, que poderia alegar ser impossível desligar somente uma rede social, visto que todas têm a mesma infraestrutura de dados.

Cupons de desconto TecMundo:

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Para professor, Mark Zuckerberg é o homem mais perigoso do mundo