Facebook anuncia medidas para evitar interferências nas eleições de 2019

2 min de leitura
Imagem de: Facebook anuncia medidas para evitar interferências nas eleições de 2019
Avatar do autor

O Facebook teve inúmeros problemas vindo à tona em 2018, com direito a acusação de ter permitido interferência externa russa nas eleições dos Estados Unidos em 2016 — isso sem falar na Cambridge Analytica. Nesta semana, a empresa anunciou uma série de medidas que serão aplicadas em diversas partes do mundo em 2019 a fim de evitar que tais problemas se repitam.

Além do já tradicional combate às fake news por meio de botões de contexto adicionados a todos os links compartilhados pela rede social e da ferramenta de transparência em anúncios, a companhia anunciou três grandes medidas que passam a vigorar em 2019. A ideia é dar mais transparência, agilidade e intensidade ao combate à desinformação.

Mais transparência

Para garantir ainda mais transparência e segurança às disputas eleitorais, o Facebook já proibiu na Nigéria que anúncios eleitorais sejam pagos de fora do país — isso será replicado nas eleições Índia, na Ucrânia, em Israel e para o Parlamento Europeu deste ano.

Além disso, será necessário autorização para publicar anúncios políticos e a rede manterá um repositório com eles durante o período de sete anos.

“Os anunciantes precisarão ser autorizados para comprarem anúncios políticos”, revela o Facebook. “Daremos às pessoas mais informações sobre publicidade ligada a política e questões importantes e criaremos uma biblioteca pública com esses anúncios durante sete anos”, prossegue a rede social.

Até o fim de junho, todos esses recursos estarão ativos em todo o mundo.

Novos centros de operações regional

O Facebook abrirá dois novos centros de operações regionais em Dublin, na Irlanda, e em Singapura. A ideia é que esses novos grupos reúnam esforços de equipes de inteligência, ciência de dados, engenharia, pesquisa e operações de comunidade, entre outros, para reforçar o combate à desinformação, às fake news, ao discurso de ódio e à supressão de eleitores.

Maior combate às fake news

As notícias falsas, tão conhecidas do público brasileiro, especialmente durante o último período eleitoral, também foram lembradas nos novos planos do Facebook. A rede promete três medidas relacionadas a isso:

  • Remoção de conteúdo que viola os Padrões de Comunidade;
  • Redução da distribuição de conteúdo que não viola as diretrizes, mas prejudica o nível informacional, como publicações caça-cliques e sensacionalistas;
  • Mais informação de contexto em materiais que chegam ao Feed de Notícias, com mais dados a respeito do conteúdo em si e de quem o publica disponíveis para o leitor.

O Facebook garante, também, que o programa de verificação de fatos com agências parceiras continuará sendo expandido — atualmente, o programa já avalia conteúdos em 16 idiomas diferentes, informa a empresa.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Facebook anuncia medidas para evitar interferências nas eleições de 2019