Dias após o Facebook anunciar a desmobilização de uma rede responsável por espalhar de notícias falsas no Brasil, o Twitter se torna o centro de uma controvérsia ao supostamente remover e limitar o alcance de perfis com orientação política de direita no Brasil.  Desde a última terça-feira (7), os conservadores usaram a hashtag #DireitaAmordaçada na própria rede para protestar contra a alegada arbitrariedade com viés político da rede.

“O Twitter está nesse momento banindo diversos perfis de direita na plataforma”, escreveu o líder do Movimento Brasil Livre (MBL) e vereador de São Paulo Fernando Holiday (DEM). “Não está apagando eles, mas restringindo. Isso é a censura do Vale do Silício atacando de novo”, concluiu.

Apesar de Holiday afirmar que os perfis estariam sendo apenas restringindo, o site Revista Fórum informa que perfis como “Reaçonaria” e “Conexão Política” teriam sido retirados do ar. Ambos, entretanto, já estão acessíveis neste momento.

As acusações feitas por parte da direita nacional em relação ao Twitter vão ao encontro daquelas tecidas pelo presidente dos Estados Unidos. Recentemente, Donald Trump tuitou afirmando que a rede social de pratica “banimento às sombras” para reduz a visibilidade e o alcance de perfis de membros do Partido Republicano. O Twitter negou.

Twitter se posiciona

Sobre o caso brasileiro, o Twitter enviou nota ao site BR18 e afirmou que não comenta casos específicos. A empresa garantiu, entretanto, que perfis suspeitos de violarem as diretrizes de uso da plataforma estão sujeitos às sanções cabíveis.

“As Regras do Twitter estabelecem os conteúdos e comportamentos permitidos na plataforma, no intuito de proteger a experiência e a segurança dos usuários”, informou a companhia. Segundo a nota, a violação das regras resulta em “alteração temporária da conta para o modo somente leitura até que sejam feitas as verificações necessárias pelo usuário.”