No Irã, as mulheres são proibidas de dançar com homens em público, a não ser em eventos familiares, e uma lei obriga a utilização do hijab, também conhecido como o "véu islâmico", desde 1979. Essas imposições vêm sendo questionadas a cada ano que passa e agora os protestos têm chegado às redes sociais. Várias jovens vêm postando vídeos em que aparecem ouvindo música pop norte-americana e dançando com roupas normais aos olhos ocidentais, sem o uso da vestimenta.

Segundo o Gizmodo, pelo menos quatro delas foram presas pelas autoridades na semana passada e uma delas foi identificada como a ginasta Maedeh Hojabri, de 17 anos. O canal de TV estatal do país chegou a veicular uma “confissão” da garota — que teria assumindo seus atos. O Instagram é uma das únicas plataformas ocidentais que ainda são permitidas por lá.

De acordo com a BBC, seis garotas iranianas já receberam sentença de um ano de prisão e 91 chicotadas depois de serem condenadas em 2014, por postarem vídeos de si mesmas dançando ao som de “Happy”, de Pharrell Williams. Ainda não se sabe quais as penas dessa nova apreensão e o governo estaria considerando bloquear o acesso ao Instagram.

Maedeh se tornou símbolo de resistência e recebe apoio de outras mulheres

Depois de publicar seus vídeos, tidos como provocativos — inclusive nos países ocidentais —, Maedeh teve seus perfis do Twitter e do Instagram desativados. Mas logo eles voltaram a funcionar e ela tem se tornado uma inspiração para outras mulheres protestarem contra o uso do hijab e outras imposições consideradas por muitas como abuso em governos autoritários.

Sua conta no Instagram chegou ao 62,3 mil seguidores e várias pessoas vêm declarando mensagens de apoio à jovem. Há até postagens que mostram o que seriam as agressões sofridas pela ginasta quando a polícia a deteve.

Desde o começo do ano, os iranianos já vêm discutindo a queda da lei de uso do véu islâmico e os protestos só aumentam. Com a prisão de Maedeh, outras pessoas vêm postando vídeos em que também dançam sem a vestimenta.

“Estou dançando de forma que as autoridades vejam e saibam que eles não podem tirar nossa felicidade e esperança ao prenderem adolescentes e Maedeh”, disse uma delas.