A rejeição às medidas de Donald Trump contra imigrantes não documentados nos Estados Unidos rendeu um recorde ao Facebook: em apenas cinco dias, 400 mil pessoas usaram a plataforma de doações da rede para colaborar com uma campanha em prol das famílias prejudicadas pela política de tolerância zero adotada pelo governo norte-americano nos últimos meses.

A ideia partiu de um casal de ex-funcionários do Facebook. Sensibilizados com a situação dos imigrantes, Charlotte e Dave Willner decidiram mobilizar pessoas próximas para tentar ajudar uma ONG que presta apoio jurídico a pessoas que chegam aos EUA em busca de asilo. A intenção era arrecadar apenas US$ 1,5 mil, mas a campanha viralizou e conseguiu, até o fechamento deste artigo, US$ 15 milhões em doações – algo sem precedentes na história do site.

A iniciativa também ganhou o apoio de gente influente. Personalidades como Mark Zuckerberg e Sheryl Sandberg, do Facebook, deram suas contribuições. Outros líderes da indústria de tecnologia, como Satya Nadella, CEO da Microsoft, e os cofundadores do Airbnb, emitiram declarações criticando as injustiças do governo norte-americano e pedindo uma solução.

Sem documentos, famílias vinham sendo separadas

Nos últimos meses, milhares de crianças foram separadas dos pais após cruzarem a fronteira dos Estados Unidos em situação de ilegalidade. Em tese, a medida servia para permitir o cumprimento de uma questão burocrática do governo norte-americano, mas a desculpa não convenceu a opinião pública. Governos de diversos países e até o Papa Francisco se posicionaram contra Trump, que na última quarta-feira (20) cedeu e assinou um decreto determinando o fim da medida.

Apesar da atitude, Trump fez questão de lembrar que, independentemente da situação das crianças, os pais continuarão sendo processados criminalmente por entrarem sem documentos no país.

Cupons de desconto TecMundo: