Seguindo os passos do que as fabricantes de smartphones vêm fazendo em seus flagships mais recentes, o setor norte-americano tem apostado forte em tecnologias biométricas para facilitar a vida dos passageiros e aumentar a segurança dos aeroportos. Assim como a Samsung e seu Galaxy S8, a JetBlue quer que o reconhecimento facial seja a ferramenta ideal para eliminar burocracias e documentações.

Em parceria com a CBP – órgão de alfândega e proteção de fronteiras dos EUA –, a companhia aérea tem testado como a tecnologia de análise do rosto das pessoas pode revolucionar o atual sistema de triagem e checagem utilizado no país. Essa etapa de testes tem ocorrido em viagens feitas entre os aeroportos Logan International Airport, de Boston, e Queen Beatrix International Airport, de Aruba, e tem dado bons resultados.

Infográfico da JetBlue a respeito do processo

Só olhe para a câmera e siga o seu caminho

Segundo Joanna Geraghty, vice-presidente de experiência do consumidor da empresa, o projeto tem ajudado a entender os pontos que causam mais problemas e demoras na hora do embarque – causando o estresse dos passageiros. O desafio número um desse cenário? A passagem pelo setor de imigração, claro. “O auto embarque elimina o escaneamento do bilhete e a checagem manual de passaporte. Só olhe para a câmera e siga o seu caminho”, explica a executiva ao falar sobre a proposta da JetBlue.

Futuramente, a ideia é que o serviço seja expandido para todos os aeroportos dos EUA e contemple não só visitantes estrangeiros chegando ao país, mas também cidadãos norte-americanos que estiverem saindo ou voltando para lá. Outras companhias e países também andam brincando com iniciativas similares. A Delta, por exemplo, pretende usar esse tipo de biometria para despachar e coletar bagagens, enquanto o governo australiano quer implementar o reconhecimento facial e de digitais automático até 2020.

Nada é perfeito

Embora o projeto da JetBlue seja interessante e possa ajudar a compensar algumas das decisões tomadas recentemente pelo governo norte-americano – como propostas que notebooks não possam ser levados na cabine ou que mais itens sejam removidos de bolsas e mochilas na hora de passar pelo raio-X –, problema técnicos e limitações tecnológicas podem acabar atrasando a implementação em massa do serviço.

Recentemente, por exemplo, foi mostrado que o sistema de reconhecimento facial do Galaxy S8 pode ser tapeado com relativa facilidade por uma foto impressa ou exibida em outro celular. Só isso já bastaria para que o CBP levantasse um sinal de alerta contra a novidade, não é? Além disso, como aponta o site Mashable, esse mecanismo não tem o mesmo nível de acerto e precisão na hora de identificar determinados tipos de pessoas.

Sistema da Samsung ainda é falho, mas tem apoio de outras tecnologias biométricas

Pessoas negras encontram problemas com a tecnologia

Enquanto homens brancos são facilmente identificados pelo sistema, mulheres de praticamente qualquer cor de pele e pessoas negras em geral acabam encontrando problemas e falhas na hora de finalizar o processo biométrico automático. Eventualmente, porém, é muito provável que todos esses pontos sejam trabalhados para tornar viável esse tipo de serviço. E você, acredita que veremos isso em prática muito em breve? O que acha da novidade? Deixe o seu comentário mais abaixo.

Cupons de desconto TecMundo: