GPUs usadas em mineração são vendidas com VRAM defeituosa

1 min de leitura
Imagem de: GPUs usadas em mineração são vendidas com VRAM defeituosa
Imagem: Shutterstock
Avatar do autor

O mundo da mineração está se degradando passo a passo, e os donos das grandiosas fazendas de placas de vídeo estão se desfazendo de diversas GPUs por preços baixíssimos. No entanto, às vezes o barato sai caro, e o que deveria ser uma placa usada em estado funcional se transforma num aparelho defeituoso.

Após a receita diária da mineração despencar em maio, e esse mercado mostrar os reais sintomas de um declínio profundo, especialistas e consumidores estão diante de uma verdadeira "enchente" de produtos usados em fazendas de mineração. Em alguns casos, as GPUs aparecem pela metade do preço, ou até menos, em diversas regiões da Ásia.

No entanto, casos curiosos — e totalmente previsíveis — vem acontecendo nos últimos dias. Um usuário dos fóruns NGA.CN revelou ter recentemente comprado uma RTX 3080 MSI SUPRIM X, modelo premium da marca, por apenas US$ 536 (R$ 2.780). Por outro lado, o preço normal da placa no varejo norte-americano fica na casa dos US$ 1100 (R$ 5.710).

A aquisição teria sido um golpe de pura sorte e astúcia caso os problemas não começassem a acontecer. Logo nos primeiros dias de uso, o usuário percebeu que parte dos parafusos que seguram a placa haviam sido removidos, e ao verificar o PCB da GPU, descobriu que as fitas térmicas que ficam em contato com os módulos de memória haviam sido removidos inúmeras vezes.

Configurações do GPU-Z  Wccftech/reprodução 

A situação é normal, visto que os mineradores trocam esses thermal pads para conseguir melhores temperaturas nas placas. Porém, ao abrir o software GPU-Z para verificar as especificações da placa, foi descoberto que o modelo constava com apenas 8 GB de memória de vídeo, sendo que existem apenas unidades com 12 GB ou 10 GB.

No fim das contas, a placa "sofreu" tanto nas mãos dos mineradores que acabou tendo dois módulos de memória queimados, explicando o baixo preço cobrado pelo produto.

News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.
Você sabia que o TecMundo está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.