Xiaomi Mi 11, focado em vídeos, é lançado por R$ 8 mil

2 min de leitura
Imagem de: Xiaomi Mi 11, focado em vídeos, é lançado por R$ 8 mil
Imagem: Xiaomi/Reprodução
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

Nesta terça-feira (8), a Xiaomi lançou no Brasil o seu mais novo celular topo de linha, o Mi 11. Anunciado logo no início do ano com o chipset Qualcomm Snapdragon 888, o dispositivo tem o preço sugerido de R$ 8 mil no mercado local. Como brinde, a fabricante oferece um ano do serviço Google One gratuitamente no plano de 100 GB.

O Mi 11 também começa a ser vendido no Brasil a partir de hoje nas lojas oficiais da marca e em varejistas. No Brasil, o smartphone será vendido com 8 GB de RAM e 256 GB de armazenamento de alta eficiência (UFS 3.1). A linha completa, que ainda traz aparelhos como o Mi 11 Pro, não foi trazida pela empresa para o país.

A ficha técnica do novo aparelho não deixa a desejar em comparação com os rivais da mesma faixa. Sua tela traz tecnologia AMOLED, 6,81 polegadas de tamanho, resolução WQHD+ (3200 x 1440 pixels) e taxa de atualização de 120 Hz. A taxa de amostragem de toque, que reconhece com mais precisão os toques na tela, é de 480 Hz.

Xiaomi Mi 11Novo Xiaomi Mi 11 é lançado nesta terça-feira (8) no Brasil.

A tela do Mi 11 ainda traz outras características, como um leitor de impressões digitais e suporte a HDR10+, com profundidade de cor de 10-bit. Ela também traz um pequeno furo no canto superior esquerdo que abriga uma câmera para selfies.

Já o corpo do dispositivo é em vidro (Gorilla Glass Victus) com alumínio nas laterais, sem muita distinção técnica para outros modelos. O peso do smartphone é de cerca de 196 gramas e ele será vendido nas cores Midnight Gray (cinza escuro) e Horizon Blue (azul escuro), ambas com acabamento fosco.

A novidade, aqui, é o posicionamento das câmeras. São três sensores que ficam no canto superior esquerdo na traseira, algo já comum na indústria. Como diferencial, a Xiaomi aposta em um módulo um pouco mais destacado com uma área escura e outra espelhada, acompanhando a cor do aparelho.

Câmeras e desempenho prometem

As câmeras do Mi 11 também trazem uma configuração forte. O principal sensor possui 108 MP (f/1.85) de resolução e é acompanhado por um sensor de ângulo mais aberto com 13 MP (f/2.4, 123°). Por fim, há um sensor de 5 MP (f/2.4) para fotografias macro. Na frontal, a câmera do aparelho possui 20 MP (f/2.4) de resoluçao.

Entre os recursos, a companhia ressalta o modo noturno em todas as câmeras (com exceção da macro) e que também está disponível para as gravações. Ainda há outros outros modos e filtros de filmagem que são baseados em inteligência artificial, segundo a marca, mas todos focados em aprimorar os vídeos. Tanto que a campanha da marca cita, sobre o aparelho, "o cinema em suas mãos".

Esses novos recursos são compostos por efeitos espelhados, de continudade (congelamento de quadro), foco, colagem, time-lapse, "disparo lento" (reduz  a velocidade do obturador) e afins, todos disponíveis na câmera do celular. A marca também cita que ele traz recursos especiais de edição de vídeo.

Xiaomi Mi 11Câmeras do Mi 11 está "pronto para o cinema", diz Xiaomi no lançamento.

Já no processamento, a Xiaomi destaca que o dispositivo suporta jogos em HDR com até 2K de resolução. Ele também é compatível com redes 5G e traz bateria de 5.600 mAh com carregamento rápido de 55 watts por fio. Caso o usuário opte pelo carregamento por indução, o aparelho suporta carregadores de até 50W — já o carregamento reverso sem fio tem 10W.

O aparelho sai de fábrica com o Android 10 e a MIUI 12, interface proprietária da marca.

Xiaomi Mi 11, focado em vídeos, é lançado por R$ 8 mil