EUA vão ajudar Nokia e Ericsson a concorrerem contra Huawei no 5G

1 min de leitura
Imagem de: EUA vão ajudar Nokia e Ericsson a concorrerem contra Huawei no 5G
Avatar do autor

Ainda em guerra comercial contra a Huawei, os Estados Unidos continuam trabalhando para enfraquecer a fabricante chinesa o máximo possível no país, inclusive no setor em que ela mais se destaca neste lado do mundo: infraestrutura de conexões móveis.

Depois de criar um fundo para trocar antenas de internet e telefonia na zona rural do país, o governo norte-americano agora pode dar um jeito de financiar as principais concorrentes da Huawei no setor de 4G e 5G. A informação é do jornal Financial Times.

De acordo com a publicação, as europeias Nokia e Ericsson, que também são nomes fortes no setor de infraestrutura, são as mais cotadas para receber o novo fundo de investimentos público do país. Esses créditos permitiriam que as empresas ampliem o seu domínio e reduzam os preços, possibilitando que elas vençam contratos contra a Huawei. Atualmente, a chinesa detém 28% do mercado de equipamentos de telecomunicações em todo o mundo, sem qualquer incômodo por parte de uma companhia dos EUA.

Entre tréguas e batalhas

A guerra comercial continua bastante indefinida e é marcada por recuos e atitudes mais agressivas de ambos os lados. Por um lado, o governo nos EUA aparentemente topou liberar algumas licenças de comércio entre empresas de ambas as nações — o que criaria exceções na proibição de negociações entre os lados, que começa a vigorar em novembro deste ano. Além disso, a própria chinesa estaria disposta a ceder parte de sua tecnologia 5G para o país.

Por outro, esse fortalecimento de rivais, a proibição ainda vigente do uso do Android (que fez o Huawei Mate 30 a trazer uma versão de código aberto do sistema) e a pressão para que a Índia também adote medidas contrárias fortalece o sentimento que a disputa ainda está longe de terminar.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
EUA vão ajudar Nokia e Ericsson a concorrerem contra Huawei no 5G