Andy Rubin, programador mais conhecido por ser o pai do Android, vem tentando criar um dispositivo inovador há alguns anos e sua companhia, a Essential, chegou a entregar o Essential Phone no ano passado. Ainda que ele não tenha sido bem-sucedido comercialmente e sua segunda versão até mesmo estaria no limbo, uma reportagem do Bloomberg indica que o desenvolvedor não desistiu e pensa em um aparelho com funcionalidades envolvendo inteligência artificial (IA).

Essential teria paralisado projeto de smart speaker para se dedicar ao novo telefone

Ao invés de ser uma ferramenta para turbinar os recursos do telefone, a própria IA seria o principal destaque do produto. Ela seria utilizada como forma de “libertar os usuários” de suas máquinas, para que todos possam fazer outros afazeres ao invés de estarem presos o tempo todo às ligações, notificações e o hábito de ficar olhando para a tela a cada minuto.

Para isso, esse celular teria um design diferente e poderia realizar ações automatizadas e controladas pela IA, em especial responder mensagens — sejam as textuais ou vocais. O desenho dessa novidade iria contra a tendência atual da indústria, com uma pequena tela, e as interações seriam realizadas por meio de comandos orais.

essential phoneO Essential Phone, que até agradou os especialistas mas foi mal nas prateleiras. Fonte: Essential

O smartphone seria especialmente útil para o cotidiano corporativo, pois teria uma interface dedicada para gerenciar agenda e calendário, além de enviar emails e SMS e fazer chamadas. Grande parte dessas tarefas poderia ser realizada pela própria IA, sem que você tivesse que se preocupar com as mesmas ao longo do dia. Rubin estaria até mesmo pensando em algo que possa unir todas as habilidades da Alexa, da Google Assistente e da Siri em um só canal.

O projeto estaria sendo levado muito a sério na Essential e empresa até mesmo teria pausado o desenvolvimento de um alto-falante inteligente para destinar os recursos e o tempo de trabalho à essa nova empreitada. Por enquanto, não há mais detalhes sobre prazos ou preços e nada de confirmação oficial. E você, o que achou dessa ideia?