As acusações de que o Steam estaria monitorando as atividades de seus usuários na navegação de internet foram diretamente refutadas por Gabe Newell, cofundador da Valve e criador do Steam. O executivo soltou uma declaração oficial negando que exista esse rastreamento.

Tudo começou quando o sistema VAC (sigla para “Valve Anti-Cheat”), software concebido para impedir a utilização de hacks e trapaças em muitos dos games disponíveis no Steam, estaria extraindo dados DNS dos computadores de seus usuários antes de enviar essas informações de volta à Valve. Esse processo teoricamente foi desenvolvido para permitir que a companhia montasse uma espécie de perfil dos hábitos de navegação de seus usuários.

Newell explicou que isso de forma alguma é um “monitoramento” do histórico das atividades dos jogadores. Em uma estrutura de FAQ (perguntas frequentes) postada no site Reddit, o executivo foi enfático: “Não estamos enviando seu histórico para a Valve, não nos importamos com os sites [adultos] que você acessa e não estamos usando nosso sucesso de mercado para o mal”, afirmou.

Mais de 550 trapaceadores, vulgo “cheaters”, teriam sido banidos do serviço após a implementação do sistema VAC. De acordo com Newell, o teste do sistema para esses hackers fica inativo após a checagem. “Aqueles que fornecem as trapaças aos cheaters tentaram burlar essa verificação manipulando o cache DNS das máquinas de seus clientes”, disse.

De qualquer forma, parece que os usuários do Steam podem continuar navegando sem medo de que o histórico do browser esteja sendo monitorado.

Cupons de desconto TecMundo: