A morte do ditador norte-coreano não amenizou as coisas por lá. (Fonte da imagem: Wikimedia Commons)

Depois da morte do ditador Kim Jong-Il, a vida na Coreia do Norte poderia ficar mais tranquila, menos rígida e controladora. Mas as coisas não foram bem assim – e acontecimentos como os relatados pelo Telegraph só nos deixam ainda mais surpresos com o regime empregado por lá.

De acordo com o jornal, quem for pego usando um telefone celular no país será preso – enquanto o ato torna-se “crime de guerra”, o que muito provavelmente deve levar o acusado à morte.

A medida faz parte do plano de luto pelo falecimento do ditador, cuja duração é de 100 dias (até o fim de março). Além disso, é um método bastante eficiente para desencorajar e reprimir qualquer cidadão que resolva fazer ligações para fora do país e reclamar sobre o modo de vida local.

Para amenizar a situação, o The Next Web divulgou uma estatística interessante: apenas 5% da população tem acesso ao celular – e menos ainda às redes 3G. A internet também é controlada por lá: o país possui um servidor próprio, que hospeda de 1,3 a 5 mil sites.