(Fonte da imagem: iStock)

Uma pesquisa realizada pelo IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) revelou que pelo menos 41% dos internautas brasileiros baixam conteúdos piratas. As classes “D” e “E” e os moradores do Nordeste foram os que apresentaram os maiores índices de download de conteúdo ilegal.

No Nordeste, 86% dos entrevistados afirmaram baixar pirataria. As regiões Norte e Centro-Oeste foram as que apresentaram menor incidência, com 73%. Sudeste e Sul tiveram 82% e 79% respectivamente. Entre as classes sociais, a maior concentração está nas classes “D” e “E”, com 96%. As classes “A”, “B” e “C” ficam com 75%, 80% e 83%, respectivamente.

Usuários mais novos também baixam mais conteúdo se comparados aos mais velhos. Cerca de 91% entrevistados entre 10 e 15 anos baixam pirataria. O índice cai para 83%, entre 16 e 24 anos; 82%, entre 45 e 59 anos; 81%, entre 35 e 44 anos; e 67%, para as pessoas acima de 60 anos.

Por fim, o estudo avaliou o índice de pirataria de acordo com a escolaridade e a condição de trabalho. O número de downloads ilegais é maior entre aqueles com menos educação formal: 92% para os que não têm curso superior e 77% para os que têm.

Pelo menos 95% dos desempregados baixam pirataria; em seguida vêm os estudantes que não trabalham, com 83%; os que trabalham somam 81%; as donas de casa chegam a 80% e os aposentados 63%.

 

 

 

Fonte: IPEA

Cupons de desconto TecMundo: