Gravadoras processam sites que pirateiam músicas através do YouTube

1 min de leitura
Imagem de: Gravadoras processam sites que pirateiam músicas através do YouTube
Avatar do autor

Com a queda de sites como o Pirate Bay e o Kickass Torrents, as grandes gravadoras musicais estão mudando o foco de suas ações antipirataria. Nomes como UMG, Sony Music e Warner Bros. abriram processos contra o site YouTube-mp3.org, que baixa canções disponíveis do serviço de vídeos e as disponibilizam gratuitamente para download.

Segundo as companhias, o site conta com 60 milhões de usuários únicos e registra de dezenas a centenas de milhões de transferências ilegais a cada mês. O pedido feito nos tribunais envolve o pagamento de US$ 150 mil (R$ 485 mil) por violação, algo que, se for cumprido à risca, deve resultar em uma multa que ultrapassa a casa dos bilhões.

Nenhum site que oferece o rip de streams deveria aparecer no topo de pesquisas

“Não deveria ser tão fácil participar desse tipo de atividade, em primeiro lugar, e nenhum site que oferece o rip de streams deveria aparecer no topo de pesquisas ou em uma seleção de aplicativos”, afirma Cary Sherman, presidente da RIAA. O maior problema desses sites em relação ao YouTube é o fato de que eles não fazem qualquer pagamento às gravadoras ou aos artistas que detêm os direitos sobre as canções reproduzidas.

A RIAA também deu um recado à Google e a empresas de hospedagem. “Esperamos que anunciantes responsáveis, sistemas de busca e provedores de hospedagem reflitam sobre a ética de dar apoio a sites que enriquecem ao fraudar criadores”, declarou Geoff Taylor, representante de um grupo de gravadoras do Reino Unido.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Gravadoras processam sites que pirateiam músicas através do YouTube