De uns tempos para cá, a Philips resolveu arregaçar as mangas e investir pesado no segmento de monitores. Hoje, a fabricante é uma das que mais inova no segmento, sendo uma das mais notáveis no mercado brasileiro.

A mais nova aposta da empresa é focada nos gamers mais exigentes que pretendem investir na tecnologia G-SYNC. O monitor Philips 272G é um dos poucos produtos disponíveis com esta funcionalidade, sendo também um modelo que se destaca por diversas outras vantagens.

Além deste recurso vantajoso para sincronia entre frames e taxa de atualização, este display ainda tem taxa de atualização de 144 hertz, tempo de resposta de apenas 1 milissegundo, tecnologia ULMB e compatibilidade com a tecnologia NVIDIA 3D Vision.

Nós passamos alguns dias testando este monitor para trazer um veredito para você que está pensando em comprar um novo monitor gamer. Agora, vamos conferir em detalhes todas as vantagens deste produto!

Especificações

Visual caprichado

Não é de hoje que a Philips tem algumas ideias excelentes para seus produtos. O design ímpar de seus aparelhos é notável, mas algumas soluções acabam se destacando. No caso deste monitor, o visual é parecido com o de outros modelos voltados a outros segmentos — e isso é importante para manter a identidade da marca.

A logo na parte frontal, as linhas retas, a base e o suporte formam um conjunto coerente, que combina perfeitamente com as máquinas gamers mais ousadas. Também é notável a questão do capricho nas dimensões. Trata-se de um produto com espessura reduzida, bordas realmente finas e boas disposições das conexões e dos botões.

Além de todas essas características, o Philips 272G surpreende pela versatilidade. Ele tem ajuste de altura, de posição horizontal e também de rotação vertical. Dá pra configurar de várias formas e ajustar como você preferir.

A saída de vídeo e o cabo de energia são conectados discretamente na parte traseira e ficam muito bem encaixados, evitando possíveis falhas nos contatos. Por se tratar de um monitor voltado à utilização da tecnologia G-SYNC, este modelo só tem conexão DisplayPort e infelizmente não tem como usar adaptador para conectar em placas com HDMI.

Um adicional interessante é o HUB com quatro portas USB 3.0 que fica na lateral do aparelho. Com as conexões de fácil acesso, você não precisa usar as portas na traseira ou na frente do gabinete. Uma única porta USB do computador será compartilhada com o monitor. A Philips envia o cabo próprio para tal conexão.

O único problema é que a velocidade de uma única porta é compartilhada entre as quatro que estão no monitor. Isso é complicado para quem pretende utilizar múltiplos dispositivos de armazenamento e transferir dados simultaneamente. Em nossos testes, as portas USB do monitor alcançaram taxas de escrita e leitura de até 39 MB/s.

Tela enorme de ótima qualidade

Uma coisa que devemos colocar em pauta é a questão da tela. Se para muitos consumidores tamanho não é documento, para os jogadores que desejam uma experiência empolgante essa característica é de suma importância.

São 27 polegadas para você curtir seus jogos em tamanho grande. A resolução não é a mais elevada do mercado (que seria a 4K), mas também não deixa a desejar. O display Full HD é perfeito para a jogatina, garantindo boa definição do conteúdo.

Com a tecnologia SmartResponse, este monitor tem tempo de resposta de apenas 1 milissegundo (de cinza a cinza), o que é mais do que perfeito para jogos. É impossível perceber qualquer tipo de atraso, afinal nem mesmo o olho humano é capaz de distinguir tamanha velocidade.

A taxa de atualização que vai até 144 hertz também é outro ponto que merece destaque, já que é possível sincronizar a taxa de frames com a frequência do monitor e obter uma experiência perfeita. Obviamente, para aproveitar esta vantagem, você vai precisar de uma placa gráfica robusta capaz de acompanhar tal desempenho.

Uma introdução ao G-SYNC

Em um cenário comum, um monitor opera com taxa de atualização de 60 hertz, enquanto que o chip gráfico nos computadores pode enviar imagens a mais ou menos de 60 quadros por segundo (variando conforme o jogo e a cena em questão).

Nos computadores mais robustos, a tecnologia V-Sync garantia que a taxa de quadros ficasse fixa em 60 frames e a sincronia com a atualização de 60 hertz era perfeita. Entretanto, em muitos casos, quando a placa de vídeo não era capaz de manter os 60 frames por segundo, a experiência no jogo era prejudicada por conta de lags e screen tearings.

Com o G-SYNC, a NVIDIA pretende mudar essa história. Esta tecnologia visa garantir a sincronia perfeita entre o monitor e a placa de vídeo, evitando os problemas supracitados. Para conseguir tal façanha, a NVIDIA teve a brilhante ideia de colocar uma placa dedicada dentro do monitor, a qual é controlada pela placa de vídeo.

A GPU então fica responsável por processar os frames e sincronizá-los com a taxa de atualização que passa a ser variável e funcional a partir do fps em questão. Assim, o monitor pode funcionar a 144, 120, 85, 60, 50, 45 hertz ou outros valores intermediários entre esses números.

Jogatina perfeita com G-SYNC

Agora, vamos falar deste recurso que é o grande diferencial do produto. Não temos nada do que reclamar quanto ao desempenho do monitor na execução desta tecnologia. Os jogos rodam com extrema fluidez e não percebemos qualquer tipo de screen tearing.

A ativação do G-SYNC, na verdade, acontece diretamente através do Painel de Controle da NVIDIA, dispensando o uso de comandos no menu do monitor. Uma vez ativado o G-SYNC, todo o processo de sincronia entre frames e taxa de atualização fica por conta da placa de vídeo.

Em nossos testes — com jogos como Tomb Raider, F1 2014, Metro: Last Light e outros —, não notamos problemas quando a GPU manteve a taxa de FPS acima dos 30 quadros por segundo. A sensação de fluidez é constante e não vimos problemas na jogatina.

Todavia, quando a taxa de frames cai abaixo dos 30 fps (quando rodamos jogos em 4K com DSR), percebemos que o G-SYNC não operou muito bem. O problema, contudo, não parece ser do monitor, mas talvez dos códigos que controlam o G-SYNC.

Na maioria dos casos, a placa de vídeo (fizemos testes com uma GeForce GTX 780 Ti e também com uma GeForce GTX 980) sincronizou perfeitamente os frames com a taxa de atualização do monitor. E o aparelho da Philips mostrou competência na reprodução fiel dos gráficos.

No fim, ficou claro que quanto maior a taxa de atualização, melhor fica o resultado, mas a verdade é que o G-SYNC depende mais da GPU do que do monitor. De qualquer forma, se você tem uma placa de vídeo poderosa, este monitor pode ser o companheiro perfeito.

ULMB e 3D Vision

Não bastasse todas as características de ponta já citadas, o Philips 272G ainda tem mais alguns segredinhos que prometem excelentes benefícios para os jogadores. Um dos recursos adicionais é o ULMB (Ultra Low Motion Blur), que, como o próprio nome revela, serve para reduzir o efeito de motion blur (também conhecido como borrão de movimento).

Com esta tecnologia, o monitor consegue evitar os fantasmas e outros problemas quando o deslocamento de objetos na tela é muito rápido. Esta função é ativada com um botão físico que fica na frente do monitor, sendo possível usá-la com as frequências de 85, 100 e 120 hertz.

O resultado da atuação do ULMB nem sempre é perceptível, mas em games de corrida (ou com muitos elementos que se movimentam rapidamente) é possível conferir algumas melhorias. O único detalhe é que o ULMB deixa a tela bem escura. Isso evita o cansaço visual, mas pode ser um problema para quem gosta de cores vibrantes.

Além de todas essas vantagens, este monitor da Philips é compatível com a tecnologia NVIDIA 3D Vision. O kit com os óculos não vem na caixa, mas se você já tem ou pretende usar este recurso, então, a compatibilidade é uma mão na roda.

Vale a pena?

O novo monitor da Philips é um dos mais robustos que já passou por nossas mãos. O design de ponta, as facilidades na regulagem do posicionamento do display, a qualidade excepcional de imagem e os tantos recursos exclusivos para gamers são apenas algumas das inúmeras razões pelas quais recomendamos este produto.

É preciso considerar que este é um aparelho focado nos consumidores que buscam alto desempenho, então não podemos colocá-lo no mesmo de nível de outros produtos que tenham a mesma resolução ou traga como diferenciais um ou outro recurso que temos neste produto. A Philips está vendendo aqui um produto completo, o que acaba custando um pouco mais.

Dito isso, podemos dizer que este Philips é um dos primeiros monitores compatíveis com a tecnologia G-SYNC e também um dos poucos a ter um preço realmente justo. Com valor de venda inicial sugerido em R$ 2.199, acreditamos que este monitor seja uma das opções mais viáveis para os jogadores que buscam alto desempenho e recursos de pontas.

Cupons de desconto TecMundo: