Maioria dos internautas trairia se não pudesse ser descoberta, diz pesquisa

2 min de leitura
Imagem de: Maioria dos internautas trairia se não pudesse ser descoberta, diz pesquisa
Avatar do autor

As redes sociais chegaram para ficar. Além de serem poderosos mecanismos de comunicação, esses serviços se tornaram interessantes ferramentas para os relacionamentos amorosos. Com esse cenário em mente, a Lab42 (empresa especializada em pesquisa de mercado sobre consumidores na internet) resolveu descobrir um pouco mais sobre o impacto das redes sociais na vida das pessoas.

De acordo com a publicação original, a pesquisa foi realizada com 550 usuários de redes sociais (com mais de 18 anos) entre os dias 27 e 30 de outubro. Em meio a mais de uma dezena de resultados, alguns deles são surpreendentes.

Beleza não é tudo

Segundo o levantamento realizado, para 23% dos entrevistados a característica que mais os atrai em outra pessoa é uma personalidade parecida com a deles, seguida em segundo lugar por valores familiares, com 20%.

Ao contrário do que muitos acreditavam, a beleza física ficou na última posição, com 11%, atrás de o “candidato” ser emocionalmente atencioso (12%) e apresentar humor similar (13%). Religião, visão política, carreira profissional orientada, estabilidade financeira e gosto musical somaram 23% das respostas.

Traição é traição

A traição foi outro assunto abordado pela pesquisa. Conforme o informativo, 48% dos homens e 53% das mulheres afirmam já terem sido traídos. Na via contrária, 42% dos entrevistados do sexo masculino e 24% do sexo feminino trairiam seus parceiros caso não houvesse chances de serem descobertos.

Comunicação virtual

O Facebook também é o meio de comunicação preferido dos apaixonados. Após conhecerem uma pessoa e se sentirem atraídos por ela, 57% dos participantes da pesquisa adicionam o “alvo” como amigo na rede social – ficando bem acima dos 11% que o seguiriam no Twitter.

Além disso, o serviço criado por Mark Zuckerberg é o principal recurso para comunicar o começo ou desfecho de um relacionamento. Assim que iniciam uma nova empreitada amorosa, 38% das pessoas atualizam o seu “status” na rede social imediatamente – enquanto uma massa de 52% faz a mesma coisa quando termina um namoro.

Outras tecnologias também são amplamente utilizadas para a comunicação entre os pombinhos apaixonados – as mensagens de texto são a forma mais usada por alguns casais. Um grupo que corresponde a 38% do universo pesquisado envia 11 torpedos ou mais para seus parceiros.

No geral, 65% dos respondentes afirmam usar esse tipo de recurso. Contudo, as ligações ainda dominam o dia a dia dos namorados, obtendo 67% de confirmações entre os internautas pesquisados.

Por outro lado, a tecnologia fica longe das tradicionais “discussões de relacionamento”: 67% dos entrevistados nunca terminaram uma relação por email, SMS ou Facebook e 60% afirmam que jamais fariam isso.

Alma gêmea

Embora as redes sociais e outras tecnologias influenciem bastante nos relacionamentos contemporâneos, o romantismo ainda vive nos corações dos internautas. Segundo o levantamento divulgado, 75% dos usuários acreditam que existe apenas uma alma gêmea para cada pessoa.

Acompanhando esse sentimento de amor e sinceridade, 77% dos entrevistados não utilizam sites de encontros, pois acham que as pessoas mentem demais sobre elas mesmas nesse tipo de serviço, ou seja, o olho no olho ainda é o grande motivo do aceleramento dos batimentos cardíacos dos apaixonados.

Para acessar o infográfico da Lab42 e conferir mais detalhes da pesquisa, clique aqui.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Maioria dos internautas trairia se não pudesse ser descoberta, diz pesquisa