O ser humano é um bicho inquieto que adora conhecer coisas e lugares novos, tanto que viajar é uma das principais atividades de entretenimento entre as pessoas e movimenta uma quantidade surreal de dinheiro no mundo todo.

Com o avanço da tecnologia, novos destinos são disponibilizados para aqueles que possuírem as finanças necessárias para desfrutar dos prazeres do turismo de luxo. Muito se fala atualmente em viajar para fora da atmosfera terrestre, com diversos projetos visando levar pessoas comuns para visitar estações espaciais e observar a Terra como só os astronautas fizeram.

Será que o turismo espacial vai emplacar?

Olhando para o lado oposto

Mas se você acha que o espaço está muito distante, pode ser que o futuro do turismo esteja mais próximo da Terra do que imaginamos: a exploração das profundezas dos oceanos pode ser a nova moda em algum tempo, caso isso dependa de Stockton Rush e sua empresa OceanGate.

O ser humano conhece apenas 5% das profundezas dos oceanos, o que abre uma oportunidade imensa de se descobrir novos lugares e até novas espécies

A ideia da OceanGate é levar pessoas comuns para explorar o assoalho dos oceanos e mares, onde belezas naturais podem ser observadas – na forma de peixes, outros seres vivos ou formações rochosas – ou até mesmo navios naufragados e outras estruturas artificiais de encher os olhos e que parecem praticamente inacessíveis para o público “normal”.

De acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica – instituto afiliado ao Departamento de Comércio norte-americano –, o ser humano conhece apenas 5% das profundezas dos oceanos, o que abre uma oportunidade imensa de se descobrir novos lugares e até novas espécies de seres vivos.

Stockton Rush, fundador da OceanGate

Interessante e seguro

Viagens submarinas já são feitas nos dois submarinos da OceanGate: o Antipodes e o Cyclops 1. Segundo Stockton Rush, ao contrário do que se fala por aí, os passeios são absolutamente seguros: “Nos últimos 35 anos, não houve nenhum ferimento grave, e houve mais de 15 milhões de pessoas nessa situação. Estatisticamente, os submarinos são os veículos mais seguros do mundo”.

Os Estados Unidos, hoje em dia, gastam cerca de US$ 19 bilhões (R$ 59 bilhões) para realizar pesquisas no espaço

Rush, a mente por trás do projeto, quer ajudar a diminuir o abismo que separa o financiamento da exploração espacial e da submarina. Os Estados Unidos, hoje em dia, gastam cerca de US$ 19 bilhões (R$ 59 bilhões) para realizar pesquisas no espaço, mas apenas US$ 32 milhões, ou R$ 100 milhões, são aplicados nos estudos do ambiente dos oceanos no mundo todo.

Turistas curtem o cenário subaquático

Dói menos no bolso

Isso faria com que uma viagem submarina custasse consideravelmente menos do que um passeio no espaço

Isso deve refletir no preço das viagens, que, apesar de ainda serem muito caras, têm tudo para se tornar mais acessíveis com o aumento do investimento governamental, da produção de veículos submarinos adequados e até – por que não? – com o aumento da concorrência nessa área. Isso faria com que uma viagem submarina custasse consideravelmente menos do que um passeio no espaço, mesmo que ainda não seja barata como uma ida para a praia em um fim de semana.

E aí, você teria coragem de explorar as profundezas do oceano em pequenos submarinos turísticos como esse? Deixe sua opinião aqui nos comentários!