(Fonte da imagem: Reprodução/Forbes)

Após empresas como o Facebook, Microsoft e Oracle terem dado pareceres favoráveis ao CISPA, a Fundação Mozilla declarou que é contra a lei. Segundo a organização, embora seja preciso aumentar a segurança da internet, o projeto possui uma abrangência muito grande, que vai além da mera proteção de direitos autorais.

“A lei infringe nossa privacidade, incluindo definições vagas de cibersegurança, garantindo imunidade a companhias e governos conhecidos por considerar de forma muito ampla o que é o mau uso da informação”, declarou a companhia ao repórter Andy Greenberg, da Forbes. Até o momento, a Mozilla é o único grande nome do mundo da tecnologia a se pronunciar contra o novo conjunto de leis.

O CISPA surgiu em novembro do ano passado, com a intenção de permitir que empresas privadas e o governo norte-americano colaborassem mais abertamente quando o assunto é segurança no meio virtual. Entre os pontos que foram criticados está o fato de que isso permitiria que órgãos como a National Security Agency e o Departamento de Segurança Interna obtivessem dados pessoais de qualquer indivíduo sem ter que respeitar leis de privacidade estabelecidas anteriormente.

Defesa da privacidade na internet

O posicionamento da Mozilla não é exatamente surpreendente, ainda mais quando se leva em conta a forma como a organização lidou com o SOPA. Em janeiro deste ano, a empresa se uniu ao Reddit e à Wikipedia em um protesto que causou um verdadeiro blecaute em todos os seus sites, cujo conteúdo foi substituído por textos que criticavam pontos do projeto de lei.

A Google é a única grande companhia do mundo da tecnologia a não ter feito qualquer espécie de pronunciamento quanto ao CISPA. Em uma declaração enviada à Forbes, um representante da companhia afirmou que “nós pensamos que esse é um assunto importante e estamos observando o processo de perto, mas não assumimos nenhuma posição formal sobre qualquer legislação específica”.

Fonte: Forbes

Cupons de desconto TecMundo: