Aérea exigirá vacina contra covid-19 em voos internacionais

1 min de leitura
Imagem de: Aérea exigirá vacina contra covid-19 em voos internacionais
Imagem: Unsplash
Avatar do autor

Assim que uma vacina contra a covid-19 estiver disponível para a população, a Qantas, companhia aérea australiana, passará a exigir que passageiros de voos internacionais estejam imunizados, uma medida que se tornará comum no setor em breve, de acordo com Alan Joyce, presidente da empresa, em declaração realizada na última segunda-feira (23).

Inicialmente, a exigência deve ser aplicada apenas àqueles que deixarão a Austrália ou retornarão de outros locais, mas não se descarta que a regra contemple voos internos. Registrando 907 mortes e pouco mais de 27,8 mil casos de contaminações pelo novo coronavírus, o país fechou suas fronteiras desde março para combater a pandemia, e o esforço deu resultados.

Por outro lado, dezenas de milhares de residentes estão bloqueados no exterior, pois o governo autoriza o retorno de um número limitado de cidadãos a cada semana.

Companhias estudam implementar obrigatoriedade de vacina em voos internacionais.Companhias estudam implementar obrigatoriedade de vacina em voos internacionais.Fonte:  Unsplash 

Críticas e defesas

Ainda segundo o executivo, governos e companhias aéreas estudam a possibilidade de implementação de boletins eletrônicos de vacinação. De qualquer modo, a proposta gerou uma inundação de críticas e até campanhas de boicote à Qantas, que cortou 8,5 mil empregos devido aos impactos econômicos gerados pela doença.

Entre as considerações, muitas delas publicadas em redes sociais, pessoas questionam sobre o direito de a companhia estabelecer algo do tipo, mesmo que muitas delas concordem com a importância da imunização. Defendem que empresa alguma pode obrigar que seus consumidores recebam qualquer substância.

Ainda assim, tem quem a defenda abertamente, destacando que diversas vacinas já fazem parte das exigências de viagens internacionais e que a adoção desta é um movimento natural. Quanto ao posicionamento das autoridades, dizem que nada será obrigatório – o que não significa que todos possam circular livremente por lá sem a devida comprovação de recebimento de vacina.

"Embora o governo australiano apoie fortemente a imunização e faça uma forte campanha para incentivá-la, ela não é obrigatória e os indivíduos podem escolher o que desejam. No entanto, podem haver circunstâncias em que o governo australiano e outros governos introduzam requisitos de entrada ou reentrada na fronteira que estão condicionados à prova de vacinação", alertam.

Aérea exigirá vacina contra covid-19 em voos internacionais