Estudo mostra que carros conectados reduzem acidentes na estrada

1 min de leitura
Imagem de: Estudo mostra que carros conectados reduzem acidentes na estrada
Imagem: Freepik
Avatar do autor

Um estudo realizado pela Universidade de Melbourne, Austrália, em parceria com o iMOVE Cooperative Research Centre reforça que um sistema de trânsito com carros conectados entre si e trocando informações a todo momento pode reduzir consideravelmente o número de acidentes.

No geral, a pesquisa indica que batidas entre veículos caem 78% com a implementação de um sistema de transporte inteligente e cooperativo (C-ITS, na sigla original em inglês), tornando a estrada mais segura inclusive para automóveis mais antigos e sem essas tecnologias.

Os estudantes avaliaram dados de acidentes na região de 2006 a 2019, além de simulações do Ecossistema Multimodal Integrado da Austrália e resultados da utilização ainda inicial de plataformas modernas de conexão entre automóveis. Um dos objetivos do projeto é reforçar a necessidade do país de acelerar a popularização do comércio de carros inteligentes, algo que ainda é considerado distante a curto prazo pelas autoridades. Ou seja, mesmo que o estudo seja animador, ele dificilmente será o cenário real tão cedo.

Carros modernos batem menos

De acordo com o relatório, avisos de curvas perigosas e de que a velocidade está maior do que a indicada seriam os recursos mais eficientes ao reduzir acidentes, especialmente em estradas de regiões rurais. Isso vale não apenas para carros, mas também no caso de motocicletas.

Outros cenários avaliados incluem auxílio na mudança de faixa, alertas de pontos cegos ou ultrapassagem e um mecanismo que evita colisões — algo possível com componentes que incluem sensores, antenas, mapeamento em 3D, GPS ou o uso de LiDAR, tecnologias ausentes em muitos dos veículos atualmente em uso na região.

Além da questão de segurança, uma integração na conectividade entre veículos leva também a uma melhora de até 10% na velocidade e 11% no fluxo de tráfego nas cidades. O estudo completo pode ser consultado em inglês no site do Intelligent Transport Systems Australia.