O primeiro caso fatal da história envolvendo carros autônomos foi registrado em março deste ano, em Tempe, no Arizona, e desde então as autoridades vinham investigando o acidente para saber o que exatamente aconteceu. Eis que o relatório foi divulgado nesta quinta-feira (21) e reforça o alerta das próprias fabricantes, que recomendam aos motoristas a se manterem atentos e prontos para assumir a direção a qualquer momento: segundo a polícia, ao atropelar e matar um pedestre, Rafaela Vasquez, de 49 anos, se distraiu completamente com o celular sintonizado no programa The Voice.

Ao ser questionada a razão pela qual ela olhava repetidamente para baixo pouco antes da colisão, como mostrava a filmagem interna do veículo, Rafaela, que havia ligado para o 911 e passou pelo teste de sobriedade, disse aos oficiais que estava observando a interface do automóvel.

Porém, a polícia não engoliu muito bem essa justificativa e conseguiu mandados para vasculhar os smartphones pessoal e de trabalho da condutora. Em seguida, eles também obtiveram o direito de requisitar dados sobre o acesso de Rafaela ao YouTube, à Netflix e ao Hulu no dia do acidente. O histórico desse último serviço de streaming revelou que ela utilizou a plataforma durante 42 minutos, até aproximadamente às 21h59, quando aconteceu o atropelamento.

uber acidenteRelatório mostra que Rafaela estava antenada no The Voice pouco antes da colisão

Desta forma, o documento conclui que o acidente poderia ser evitado se Rafaela estivesse prestando atenção na direção e ela pode até mesmo enfrentar acusação de homicídio culposo — quando não há a intenção de matar. De acordo com a Reuters, os promotores ainda devem decidir se realmente seguirão com essa ação.

Por enquanto, nem Rafaela e nem o Uber comentaram o resultado da investigação.