Um serviço de compartilhamento de caronas estilo UberCabify descentralizado e no qual você negocia as taxas de uso diretamente com o motorista parece uma boa ideia? Na visão de Chen Weixing, sim, e ele conta com o blockchain para isso. A ideia é a de uma plataforma descentralizada e com o poder nas mãos do consumidor e do trabalhador, garante o seu idealizador.

Talvez você nunca tenha ouvido falar dele, mas o seu histórico o credencia como um especialista do setor. Chen foi fundador da empresa de compartilhamento de caronas Kuaidi Dache, que se fundiu com a rival Didi Dache em 2015 para formar a Didi Chuxing. Posteriormente, em 2016, a nova companhia se juntou à divisão chinesa da Uber e, atualmente, reina praticamente soberana no setor na China, o maior mercado do chamado ride sharing no planeta.

“Sem capitalistas”

Chen Weixing falou sobre a sua plataforma descentralizada de compartilhamento de caronas em um evento na China no último dia 27, mas não deu muitos detalhes. Em um texto compartilhado no WeChat, porém, ele antecipou que o novo serviço não será gerenciado por “capitalistas”. Em suma, a ideia é que a conexão entre motoristas e usuários aconteça sem intermediários.

A ausência de “capitalistas” talvez se dê na não existência de taxas fixas determinadas previamente pela companhia, como acontece em todos os grandes serviços do gênero. Isso é dito porque, obviamente, a desenvolvedora do app deverá reter uma parte das transações realizadas entre quem fornece e quem utiliza o serviço.

Entusiasmado com seu novo projeto, Chen contou que ele será desenvolvido em colaboração com Yang Jun, cofundador do serviço de comércio eletrônico Meituan e definiu a nova plataforma como “um experimento social digno de um Prêmio Nobel”.

O Quartz lembra que essa não é a primeira iniciativa que aplica o blockchain ao compartilhamento de caronas. Algo semelhante já foi feito no Arcade City, app disponível apenas no estado do Texas, nos Estados Unidos, e que utiliza a rede do ethereum para conectar motoristas e usuários.