Se você estava temeroso com o futuro dos carros autônomos após o infeliz incidente que resultou em um dos veículos automatizados da Uber atingindo e ferindo fatalmente uma mulher norte-americana, pode ficar um pouco mais tranquilo. Ao que parece após análises preliminares, o automóvel não foi o responsável pelo acidente em si.

É bem claro que teria sido difícil evitar essa colisão em qualquer tipo de modo

“Eu suspeito preliminarmente que parece que a Uber provavelmente não seria a culpada neste acidente”, disse Sylvie Moir, chefe de polícia em Tempe, ao San Francisco Chronicle. Segundo ela, o motorista do veículo disse que o acidente ocorreu em um instante, ao ponto de que seu primeiro alerta de que uma colisão ocorreu foi o som da batida.

Moir ainda continua, explicando que os vídeos que registraram o incidente deixam pouco espaço para acreditar que havia como evitar uma colisão. “É bem claro que teria sido difícil evitar essa colisão em qualquer tipo de modo (autônomo ou dirigido por humanos) baseado em como ela saiu das sombras diretamente para a estrada”, afirmou.

Apenas análises preliminares, por enquanto

Vale notar que a investigação ainda não está concluída, com a polícia da região atualmente colaborando com investigadores da National Transportation Safety Board e da National Highway Traffic Safety Administration. Moir também deixa claro que não teme prestar queixas contra a Uber, caso encontra algo de irregular: “Eu não vou descartar o potencial de preencher acusações contra o (motorista de apoio) no veículo Uber.”

De qualquer forma, é uma boa notícia saber que ao menos a falha não veio do carro em si. Afinal, como a própria chefe de polícia afirma, “esse é um território completamente novo em que estamos nos aventurando” – o que certamente acabaria em mais uma pesada tormenta para o futuro dessa tecnologia.