Foram dois anos de negociação até que, na última sexta-feira, a Toyota e a Mazda anunciaram que estão oficialmente formando uma parceria para desenvolver carros elétricos e conectados.

Apesar de o trabalho conjunto ainda ter pouquíssimos detalhes revelados, é sabido que as duas montadoras estão buscando tecnologias para a estrutura básica de veículos elétricos que sejam competitivos no mercado, o que pode vir na forma de uma plataforma compartilhada entre as duas marcas para desenvolver seus veículos de forma mais barata e eficiente.

Na parte de conectividade, a Toyota e a Mazda querem um sistema de infotainment mais robusto, com foco em conectividade – principalmente nas funções de V2I e V2V que a Toyota já vem trabalhando há algum tempo. Segundo as empresas, a ideia é criar “uma sociedade móvel sem acidentes”.

A negociação envolveu também uma troca de ações entre as duas empresas: a Toyota adquiriu 5% da Mazda e vendeu 0,25% para a sua mais nova parceira – o que foi considerada uma negociação igualitária e que dá uma dimensão do real tamanho da Toyota.

Para fechar o pacote, as duas companhias anunciaram que criarão uma joint venture nos Estados Unidos focada na produção de veículos. Será construída uma planta de US$ 1,6 bilhão e que poderá gerar até 4 mil empregos quando estiver em pleno funcionamento, o que deve acontecer até 2021, com a capacidade de produzir até 300 mil veículos por ano.

Nenhum deles, no entanto, será o Mazdayota RX-Supra ou Toyozda SupraX-7, infelizmente.