A Volkswagen quer aumentar significativamente sua produção de propulsores elétricos e, para isso, espera contar com a ajuda da China: a montadora alemã está buscando uma parceria com uma fábrica chinesa para alcançar sua meta de 120 mil motores fabricados por ano.

De acordo com o site IHS Supplier Insight, a VW vai usar uma planta na cidade de Tianjin para produzir os propulsores – inclusive o escritório administrativo da cidade já confirmou a negociação –, depois de investir cerca de US$ 17 milhões. A expectativa é que a fabricação tenha inicio no segundo semestre de 2018.

A ação reforça ainda mais os planos da Volkswagen em colocar o seu primeiro veículo 100% elétrico, o I.D., nas ruas em 2020. A montadora quer fazer com que o carro (e suas variações) cause um impacto similar ao que o Fusca causou quando foi lançado.

Matthias Mueller, CEO da VW, já havia dito em uma entrevista que a empresa está focando seus esforços na criação de um portfólio que já esteja preparado com antecedência para quando a era dos elétricos finalmente começar.

“Embora os motores a combustão modernos permaneçam relevantes pelos próximos 20 anos, está claro que o futuro será dominado pelos carros elétricos. [...] A questão agora é desenvolver um portfólio à prova do futuro como uma base para transformar os principais núcleos de negócios automotivos", disse o CEO.