Uma série de e-mails revelaram que Travis Kalanick, o ex-CEO da Uber, já estava há algum tempo preocupado com os esforços da Google em relação ao desenvolvimento de um sistema de direção autônoma. O medo do executivo era de ficar para trás na corrida que vai determinar quem vai conseguir fazer um carro que dirija sozinho primeiro, principalmente para compor uma frota para serviços de ride sharing e ride hailing, as caronas pagas.

Para tentar recuperar um pouco do tempo perdido, Kalanick tentou contactar a Google para fechar uma parceria através do vice-presidente de desenvolvimento corporativo David Drummond, que fez parte da Uber no passado. O ex-CEO da Uber chegou a reclamar que Larry Page, o CEO da Alphabet (grupo dono da Google e da Waymo), estava evitando falar com ele.

Os e-mails surgiram como mais uma evidência no imbróglio judicial que está correndo entre a Uber e a Waymo, numa acusação por parte da irmã da Google que a plataforma de ride hailing teria roubado informações a respeito de seu projeto de direção autônoma.

A preocupação de Kalanick, em 2015, começou depois que notícias sobre esforços da Google para desenvolver um carro autônomo começaram a surgir. Nessa época, tanto a gigante de buscas quanto a Uber tinham uma relação bem mais amigável, com uma grande possibilidade de parceria, inclusive.

Foi aí que o executivo fez algumas reclamações sobre as alegações da então nova empreitada da Google. Drummond, por sua vez, tentou marcar uma reunião com Kalanick, mas não conseguiu. Foi aí que as coisas começaram a desandar.

Transcrição do e-mail de Kalanick para Drummond

Em um dos e-mails, Kalanick disse que recebeu informações de que a Google estaria começando a lançar um serviço de transporte autônomo em até três meses. “Nós estamos recebendo mais do que eu gostaria a respeito disso. Uma reunião com Larry [Page] poderia acalmar as coisas, caso isso não seja verdade, mas ele está evitando qualquer tipo de reunião comigo desde o último outono”, explica o ex-CEO.

“Sem qualquer tipo de diálogo, nós vamos acabar chegando a conclusão de que a Google quer se tornar uma concorrente no curto prazo e vem planejando isso há algum tempo. Espero estar errado, só preciso de uma reunião com o Larry urgente para esclarecer e chegar a um entendimento de como fecharemos uma parceria de fato aqui”.

Agora, a Uber está buscando judicialmente uma forma de fazer com que Larry Page e Drummond esclareçam esse movimento particular da Google – algo que a Waymo acredita ser uma tentativa de criar uma ligação entre o episódio com a relação entre os executivos da Google com Anthony Levandowski, o pivô do escândalo do roubo de informações.