Profecia do Inferno: vale a pena assistir a série da Netflix? (crítica)

Imagem de: Profecia do Inferno: vale a pena assistir a série da Netflix? (crítica)
Imagem: Netflix

Lançada pela Netflix na última sexta-feira (19), Profecia do Inferno (Jiok, no original) é uma série coreana de terror e suspense que vem conquistando os assinantes do streaming. Desde sua estreia, a produção figura no famoso Top 10 da plataforma, abordando, de maneira inteligente, diferentes tipos de medos, dúvidas e receios, contrastados com a influência da religião na vida das pessoas.

Se você não conhecia a série coreana e ficou curioso para saber se vale a pena assistir, fique atento em todos os detalhes que abordaremos na crítica de Profecia do Inferno.

Profecia do Inferno: narrativa é estruturada de forma inovadora na Netflix

A mente inventiva de Yeon Sang-ho, criador da série, abordou um questionamento bastante válido aos espectadores. E se, da noite para o dia, criaturas sobrenaturais surgissem para dizer exatamente qual o dia e horário de sua morte; como você reagiria? Além disso, como seria se essas mesmas criaturas enviassem sua alma diretamente para as profundezas do inferno?

Partindo dessa premissa, os episódios de Profecia do Inferno se concentram, em um primeiro momento, na ambientação desse universo mítico, no qual corpos podem ser carbonizados até que a sentença final do indivíduo seja concretizada. Nesses casos, há muita violência envolvida, gritos de desespero e muito choque para todos aqueles que não esperavam por qualquer tipo de intervenção sobrenatural no mundo real.

Dividindo a narrativa em duas partes, os três primeiros episódios abordam a saga de Jeong Jin-soo (Yoo Ah-in), enquanto os três últimos concentram-se em Bae Young-jae (Jeong Min Park). Ambas as tramas são bastante potentes em termos dramáticos e mostram, com detalhes, todas as consequências dos eventuais “ataques” que ocorrem por diversas regiões do país.

(Netflix/Reprodução)(Fonte: Netflix/Reprodução)Fonte:  Netflix 

Além dos monstros horríveis, que estão presentes em quase todos os momentos das histórias como símbolos da moralidade, há três personagens que tratam de conectar tudo o que é necessário. Com essa estrutura, de certa forma, inovadora, os roteiristas apresentam situações desafiadoras para os personagens, que precisam ainda lidar com a ascensão da Sociedade da Nova Verdade, uma seita que acredita profundamente nas criaturas sobrenaturais.

Dentro desse contexto, os episódios, que têm entre 48 e 62 minutos de duração, fazem duras críticas a aspectos gerais de doutrinações religiosas, principalmente quando toca em pontos ligados à alienação e devoção a líderes.

A série expõe, de maneira concisa, como determinadas instituições se articulam longe dos holofotes, reforçando a pauta da moralidade sobre a hipocrisia, algo que não está tão longe da realidade, principalmente quando notícias sobre os bastidores de inúmeras igrejas vêm à tona.

Por esse motivo, Profecia do Inferno é bastante interessante no quesito alegórico e crítico, afinal, as criaturas sobrenaturais também surgem na narrativa para reforçar determinadas hipóteses. E a construção dramática das cenas funciona como um ponto forte, sempre a serviço da história, impactando diretamente a audiência, que, certamente, se envolverá com o ritmo a cada novo episódio.

(Netflix/Reprodução)(Netflix/Reprodução)Fonte:  Netflix 

Diante de angústias tão palpáveis, os personagens são bastante reais em todos os termos, algo que é reforçado pelas atuações de seu núcleo central. O elenco, afiadíssimo, consegue se entregar de fato ao que está sendo narrado e evidenciar, com maior precisão, tudo aquilo que os roteiristas queriam contar desde o início.

Nesse sentido, até mesmo a eventual confusão que a estrutura da série pode causar em um primeiro momento fica em segundo plano, pois há outras qualidades a serem observadas.

Portanto, se você é fã de séries coreanas e de boas histórias de terror, não deixe de maratonar Profecia do Inferno na Netflix e aproveitar o que a 1ª temporada tem a oferecer aos espectadores.

Fontes