Apple é processada por permitir assédio sexual em set de filmagem

1 min de leitura
Imagem de: Apple é processada por permitir assédio sexual em set de filmagem
Imagem: Apple
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

Uma funcionária que trabalhou no estúdio de filmagens de um filme da Apple TV+ está processando a empresa e outras produtoras por casos de assédio sexual e a falta de cooperação das companhias em impedir os incidentes.

Segundo a vítima, Alicia Kelly, o caso teria acontecido durante as filmagens de Emancipation, filme estrelado por Will Smith. Alicia foi contratada para trabalhar na equipe de apoio da produção em relação às medidas contra a covid-19 — as filmagens chegaram a parar durante vários meses no início da pandemia, mas foram retomadas meses depois com várias restrições.

Caso recorrente

Entretanto, a história começa ainda antes, em outubro de 2020, quando a funcionária trabalhava no mesmo papel, só que para a série Hightown. Lá, Alicia teria sido assediada pelo chefe, que depois foi substituído por outro gerente que manteve o mesmo comportamento inadequado.

Para piorar as coisas, ao ser transferida para o set de Emancipation, ela descobriu que o mesmo supervisor seria o seu superior — e os assédios continuaram, incluindo toques inapropriados e avanços em um hotel.

O processo alega que as produtoras "tinham o dever de exercitar cuidados razoáveis na supervisão de subsidiárias, terceirizados e seus funcionários". Além da Apple, foram acionadas judicialmente a Lionsgate Entertainment (de Hightown) e a Jerry Bruckheimer Inc. pelos mesmos motivos, e até as empresas de toxicologia e saúde por discriminação de gênero em questões salariais e rescisão por motivo indevido.

Longa-metragem aguardado

A Apple comprou os direitos de Emancipation em 2020 por um valor recorde na indústria, quando ele ainda não havia entrado em produção. Por isso, a companhia atuou também como produtora do longa-metragem, além de ser a responsável pela distribuição global. Até agora, as companhias envolvidas no caso não se manifestaram sobre a acusação.

Baseado em uma história real, o filme conta a saga de um escravo que deixa uma fazenda para se juntar aos militares nos Estados Unidos, algo que teria ocorrido por volta de 1863. A produção tem previsão de estreia para 2022.

News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.
Você sabia que o TecMundo está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.