Amazon Flex: relatos afirmam que algoritmo demite entregadores

2 min de leitura
Imagem de: Amazon Flex: relatos afirmam que algoritmo demite entregadores
Imagem: Divulgação/Amazon
Avatar do autor

O portal de notícias Bloomberg publicou nesta segunda-feira (28) uma série de entrevistas com funcionários do serviço de entregas Flex da Amazon, que denunciaram péssimas condições de trabalho regidas pelo algoritmo do sistema. Segundo os relatos, o software problemático toma decisões tradicionais dos Recursos Humanos, demitindo, contratando e apresentando relatórios de desempenho aos profissionais.

Um presente distópico

Cada motorista possui uma nota que resume sua performance no serviço — fantástico, ótimo, justo e "em risco" —, mas o sistema não justifica modificações no ranking e não elabora nas declarações de demissão.

De acordo com Neddra Lira, uma ex-funcionária entrevistada pelo Bloomberg, sua nota diminuiu após ter que devolver pacotes devido a um pneu furado; Neddra passou semanas trabalhando para recuperar seu status de "ótima", mas, mesmo assim, sua conta no aplicativo foi removia por violação aos termos do contrato.

A denunciante contestou a demissão; porém, nunca foi reintroduzida ao Amazon Flex. O entregador retirado do serviço pode entrar com um Pedido de Arbitragem, mas isso custa $200, cerca de R$ 990 em conversão direta.

A comunidade oficial dos entregadores do Amazon Flex no Reddit está repleta de denúncias, dúvidas e desabafos sobre os relatórios de desempenho, demissões questionáveis e problemas logísticos nos galpões da empresa.

No tópico sobre a reportagem do Bloomberg, o moderador do fórum, "CapnShinerAZ", afirmou: "Infelizmente, nenhuma exposição irá motivar a Amazon a fazer mudanças e deixar o serviço mais justo aos entregadores. Enquanto os funcionários forem facilmente substituíveis, a empresa não terá motivos para se importar".

De acordo com SensorTower, uma empresa de inteligência de mercado, 200 mil pessoas baixaram o aplicativo do Amazon Flex em maio.

Selfies para entregas

Em 2019, o serviço passou a exigir fotos dos profissionais entregando os pacotes para confirmar que o usuário do aplicativo não está dividindo sua conta com outros. Esta regra ajuda na segurança, impedindo o roubo de pacotes; mas, muitos ainda precisam trabalhar em grupos para evitar taxas de estacionamentos — um continua dirigindo enquanto o outro faz a entrega.

As selfies também evidenciaram problemas no sistema de detecção de faces do Amazon Flex, já que usuários do aplicativo foram demitidos por suas fotos "não atingirem os requerimentos do programa" — a imagem tem que ser compatível com a carteira de motorista. Portanto, boa sorte se você emagreceu, ganhou peso ou apenas cortou o cabelo.

A gigante de Bezos não nega o uso generalizado do software, mas acredita na qualidade do sistema. "Nós investimos muito em tecnologia e em recursos para oferecer aos motoristas a visibilidade de seus cargos e a possibilidade de continuar as entregas; nós investigamos todas as contestações", afirmou a representante da Amazon, Kate Kudrna, ao Bloomberg.



News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.
Amazon Flex: relatos afirmam que algoritmo demite entregadores