Xiaomi: operação apreende 30 mil produtos da ilegais antes da Black Friday

1 min de leitura
Imagem de: Xiaomi: operação apreende 30 mil produtos da ilegais antes da Black Friday
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

A Secretaria Estadual da Fazenda e Planejamento de São Paulo realizou uma "megaoperação" na última quinta-feira (28), um dia antes da Black Friday. O objetivo era fiscalizar estabelecimentos suspeitos e impedir a venda de produtos eletrônicos contrabandeados, que chegaram ao país sem o devido pagamento de impostos e seriam comercializados em lojas online com alta margem de lucro.

Ao todo, foram 180 agentes fiscais em atividade, além do apoio da Polícia Civil. Só na quinta-feira, 159 endereços foram fiscalizados em 45 municípios diferentes. Foram duas fases da operação: na primeira, endereços cadastrados em marketplaces foram identificados e vistoriados. Na segunda, os alvos foram suspeitos de sonegação de impostos ao importar grandes lotes de mercadorias via portos e aeroportos.

Comerciantes que cadastraram um endereço falso ou não foram encontrados durante a operação foram descredenciados, enquanto aqueles identificados terão que responder a respeito das importações.

Não era pouco

Segundo a Secretaria, a quantidade apreendida de eletrônicos foi alta: só de uma "fabricante chinesa" (que as embalagens como sendo a Xiaomi), foram 30 mil itens que, somados, valem em torno de R$ 3 milhões.

Fonte da imagem: Reprodução/Secretaria da Fazenda

Pelas fotos postadas da operação no Flickr, é possível identificar smartphones, tablets e smartwatches, além de itens de outras marcas. Porém, esse valor não chega perto do que já pode ter sido movimentado nas vendas — o comércio irregular dos investigados já teria rendido R$ 675 milhões. O órgão não divulgou qual será o destino dos produtos apreendidos.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Xiaomi: operação apreende 30 mil produtos da ilegais antes da Black Friday