Dona da Vivo foca no Brasil e pode vender serviços da América Latina

1 min de leitura
Imagem de: Dona da Vivo foca no Brasil e pode vender serviços da América Latina
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

O grupo Telefónica, dono da operadora Vivo e de diversos outros serviços em telecomunicações, anunciou mudanças no mercado e um reposicionamento da marca. As novidades foram confirmadas após a aprovação pelo Conselho de Administração da empresa.

Para começar, a companhia decidiu concentrar os esforços e investimentos nos mercados considerados prioritários — Brasil, Espanha, Alemanha e Reino Unido. Vale lembrar que, além da Vivo, o grupo é um dos principais interessados na aquisição da estrutura de telefonia móvel da rival Oi, atualmente em processo de recuperação judicial.

Os demais países da América Latina em que a empresa está presente terão um destino diferente. Menos valorizadas por uma série de motivos, desde instabilidade política dos países até problemas cambiais, as filiais de México, Colômbia, Venezuela, Chile, Argentina e Peru serão unificadas em um só negócio. Essa grande subsidiária pode ter uma série de destinos, desde a busca por investidores parceiros, aliança com outras operadoras ou até a venda para partes interessadas.

Mais separações

Além disso, a empresa anunciou a criação de dois "spin-offs". A Telefónica Tech vai cuidar de "negócios digitais com alto potencial de crescimento", o que inclui setores como Internet das Coisas, Big Data e computação em nuvem. Acordos com outras empresas em mercados ainda sem a presença da marca devem ser fechados em um futuro próximo.

Já a Telefónica Infra, como o nome indica, será destinada ao setor de infraestrutura em comunicações. A ideia é fornecer serviços em torres, antenas, data centers e fibra, entre outros. A Telxius detém 50,01% do negócio.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Dona da Vivo foca no Brasil e pode vender serviços da América Latina