Privatização dos Correios não deve ocorrer tão cedo, afirma Marcos Pontes

1 min de leitura
Imagem de: Privatização dos Correios não deve ocorrer tão cedo, afirma Marcos Pontes
Avatar do autor

Em audiência realizada nesta terça-feira (06) na Câmara dos Deputados, o Ministro Marcos Pontes e o presidente dos Correios, general Floriano Peixoto, afirmaram que a privatização da companhia não começou nem foi aprovada.

A venda da estatal para o setor privado deverá ser estudada e realizada com planejamento. Nas palavras de Pontes, "não existe nenhum procedimento de desestatização ou privatização para nos preocupar neste momento", e se for aprovada deverá ser "feita da melhor forma possível, com a participação de todos".

A declaração soou como uma discordância de ideias entre o ministro e o Presidente Jair Bolsonaro. Meia hora depois, em um evento em São Paulo, Bolsonaro afirmou:  "Vamos privatizar os Correios".

Aparente contradição

Quando questionado sobre a afirmação do presidente e a possível contradição, Pontes disse que sua declaração foi baseada na conversa que teve com Bolsonaro na noite anterior, quando o presidente disse que mantém sua intenção de privatizar a empresa, porém que isso não deve ocorrer agora.

Durante a audiência, que foi acompanhada em grande parte por funcionários dos Correios, Pontes explicou que a preocupação imediata do governo é manter a companhia em pleno funcionamento e "autossustentável econômica e financeiramente".

Presidente dos Correios propôs estratégias

O presidente dos Correios aproveitou a ocasião para propor duas "alternativas de desestatização", que seriam incluir a empresa diretamente no Plano Nacional de Desestatização (PND) ou utilizar o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) a fim de estudar a melhor alternativa para o processo de privatização.

Amazon e Alibaba estão interessadas

Bolsonaro já vinha falando no assunto mesmo antes de tomar posse. Com isso, duas gigantes do varejo em seus países de origem, Amazon (EUA) e Alibaba (China), já demonstraram interesse em comprar os Correios caso a privatização seja aprovada. Com a compra, a nova dona da empresa teria uma imensa participação no mercado varejista brasileiro de forma instantânea.

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Privatização dos Correios não deve ocorrer tão cedo, afirma Marcos Pontes