Analista opina que Apple vai absorver prejuízo gerado por taxação extra

1 min de leitura
Imagem de: Analista opina que Apple vai absorver prejuízo gerado por taxação extra
Avatar do autor

Recentemente, trouxemos por aqui informações sobre o último entrave envolvendo a guerra comercial entre os EUA e a China. Mais especificamente, noticiamos sobre o anúncio do presidente Trump de impor uma taxação extra – de 10% – sobre importações chinesas.

Além de afetar incontáveis companhias norte-americanas, isso provavelmente representaria um duro golpe para a Apple, uma vez que a fabricante teria prejuízos, independentemente de que decida absorver os custos ou repassá-los aos consumidores. Entretanto, o analista Ming-Chi Kuo veio a público e revelou qual deve ser a estratégia adotada pela companhia.

Remanejamento de prejuízos

De acordo com Chance Miller, do site 9to5Mac, Kuo acredita que a fabricante certamente se preparou para a nova taxação e pensa que, em curto e médio prazos, boa parte dos custos extra não será repassada aos consumidores – o que, por sua vez, garantirá que os preços dos produtos sejam mantidos no mercado norte-americano.

(Fonte: AP Images/Alex Brandon)

Além disso, em longo prazo, o analista opina que, para contornar as dificuldades, a Apple deverá investir em produtos que não sejam de fabricação chinesa, uma vez que, com a expansão da capacidade de produção em outros países, é possível que a maior parte da demanda dos EUA seja suprida.

E isso não significa que a linha de produção na China será encerrada – os produtos fabricados por lá deverão abastecer o resto do mundo, portanto os preços globais não devem sofrer elevações.

Segundo as projeções de Kuo, a expansão da capacidade de produção de outros países permitirá que as demandas de iPhones e iPads do mercado norte-americano possam ser supridas em 2020. Já a produção do Apple Watch e dos AirPods em outros países (com exceção da China) deve ser iniciada no ano que vem, mas a dos Macs provavelmente levará mais tempo para suprir as necessidades dos EUA, o que significa que esses dispositivos serão alvo da taxação até pelo menos 2021.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Analista opina que Apple vai absorver prejuízo gerado por taxação extra