Banimento da Huawei dos EUA prejudica receita da Qualcomm

1 min de leitura
Imagem de: Banimento da Huawei dos EUA prejudica receita da Qualcomm
Avatar do autor

Mesmo na lista proibida do Departamento de Comércio dos Estados Unidos desde maio, a Huawei teve um crescimento de 23,2% em sua receita no primeiro semestre em relação ao mesmo período de 2018, conforme informou no dia 30 de julho. A medida dos Estados Unidos de colocar o nome da empresa e mais 70 outras em sua chamada "lista de entidades" fez com que ela ficasse proibida de comprar peças e componentes de companhias dos EUA sem a aprovação do governo.

Enquanto a chinesa lança mão de inúmeros planos alternativos para minimizar os prejuízos, fornecedores norte-americanos estão perdendo negócios que renderiam US$ 11 bilhões em vendas (isso é quanto a Huawei desembolsou em 2018); a fabricante de chips Qualcomm é um exemplo.

O site especializado no mercado financeiro MarketWatch publicou o informe de ganhos da empresa para o terceiro trimestre fiscal, que terminou em junho: a receita despencou 13% e o lucro líquido, 34% em relação ao mesmo período de 2018. Suas operações tiveram um desempenho muito ruim de abril a junho – no dia 16 de maio, a Huawei foi incluída na lista de banimento.

O chip Cloud AI 100, o primeiro dedicado a IA: aposta para reverter queda na receita (Fonte: Qualcomm/Reprodução)

Ênfase no mercado doméstico

Embora produza seus próprios chipsets Kirin e chips de modem Baloong, a Huawei compra certa quantidade de unidades dos chips Snapdragon, da Qualcomm. Além disso, durante o terceiro trimestre fiscal de 2018, os fabricantes chineses que encomendaram quantidades maiores à americana venderam menos dispositivos no período.

Huawei e Qualcomm estão ainda em uma disputa sobre royalties. Em janeiro, a fabricante chinesa pagou à americana parte do que deve, mas as práticas de negócios desta última podem mudar em virtude da decisão tomada em uma disputa judicial. A corte classificou suas políticas de vendas de chips como anticompetitivas; algumas delas incluem o infame requisito "sem licença, sem chips", que leva à cobrança de royalties com base no preço de varejo de um aparelho, em vez do custo do componente.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Banimento da Huawei dos EUA prejudica receita da Qualcomm