NASA e SpaceX fecham novo contrato de US$ 50 milhões

1 min de leitura
Imagem de: NASA e SpaceX fecham novo contrato de US$ 50 milhões
Avatar do autor

A SpaceX acabou de fechar um novo contrato com a NASA no valor de US$ 50 milhões para o lançamento do IXPE ( X-ray Polarimetry Explorer). A missão da espaçonave de observação será pesquisar luz polarizada de diversas origens no cosmos, como nebulosas de vento pulsante, estrelas de nêutrons e buracos negros supermassivos.

A missão IXPE chegará ao espaço a bordo de um foguete Falcon 9. A previsão é que o lançamento ocorra no mês de abril de 2021, segundo consta nos planejamentos atuais, partindo da plataforma LC-39A, no Centro Espacial Kennedy, na Flórida.

Em um comunicado divulgado por Gwynne Shotwell, presidente da empresa privada, fica evidente que as parcerias entre a NASA e a companhia privada podem se tornar ainda mais frequente e próximas: "A SpaceX tem a honra de a NASA continuar confiando em nossos veículos de lançamento comprovados para distribuir importantes cargas científicas para a órbita".

(Fonte: SpaceX/Divulgação)

"O IXPE será a sexta missão contratada da SpaceX; dois outros lançamentos foram realizados com sucesso em 2016 e 2018, aumentando a capacidade de observação científica da agência", comentou Shotwell à imprensa.

A missão IXPE será apenas uma entre os diversos lançamentos que serão realizados por meio de contratos com a empresa de Elon Musk. Vale lembrar que não se trata apenas de missões para distribuição de cargas operacionais, pois os contratos envolvem também o reabastecimento comercial para a Estação Espacial Internacional.

A NASA informou, em uma publicação em seu site oficial, que o IXPE saíra da Terra com três telescópios espaciais que contarão com detectores sensíveis capazes de analisar e medir polarizações de raios X. Com isso, os cientistas esperam chegar a conclusões mais concretas sobre ambientes cósmicos extremamente turbulentos.

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
NASA e SpaceX fecham novo contrato de US$ 50 milhões