Os clientes da Huawei não são as únicas pessoas que estão em um limbo de informação por causa da sanção dos Estados Unidos que proibiu empresas do país de fazer negócios com a fabricante. A firma chinesa está realizando mudanças internas que estão alterando a rotina de diversos funcionários por causa do banimento.

De acordo com as informações do Financial Times, a Huawei está instruindo seus empregados a evitarem discussões sobre tecnologia e serem cuidadosos ao conversarem com outras pessoas sobre o assunto nos Estados Unidos.

Para começar, a companhia orientou seus funcionários a não terem mais reuniões com contatos e empresas parceiras nos EUA para discutir assuntos técnicos. Além disso, a Huawei teria dispensado seus empregados estadunidenses que trabalham com pesquisa na sede da companhia, em Shenzhen, China.

A comunicação entre colaboradores americanos nos Estados Unidos e a equipe chinesa também foi limitada. De acordo com Dang Wenshuan, executivo da Huawei que falou com o FT, a empresa está tentando garantir que está "no lado certo da lei" e não quer dar motivos para que a situação atual fique ainda mais tensa.

Processo e acusações

Segundo relata o CNET, os cuidados começaram no momento em que a sanção foi anunciada por Donald Trump. No dia, a Huawei pediu para que os funcionários estadunidenses se retirassem das propriedades da empresa e deixassem seus equipamentos de trabalho no local, sem os conectar à internet. 

Toda essa preocupação da companhia tem motivo: uma das razões para o governo dos Estados Unidos sancionar o banimento da Huawei são acusações de que a firma chinesa teria roubado tecnologias de empresas americanas para acelerar seus negócios.

A fabricante está se defendendo das alegações da Casa Branca nos tribunais e alega que o governo não possui provas concretas para sustentar as acusações. Os advogados da empresa dizem que a atitude dos Estados Unidos é inconstitucional.