O ano passado foi, definitivamente, o “ano perdido” de Elon Musk: teve de tudo, desde briga com mergulhador, sumiço da rapper Azealia Banks em sua casa, maconha em programa ao vivo, saída da presidência do conselho da Tesla e multa milionária à Comissão de Títulos e Câmbios dos Estados Unidos (SEC, em inglês) — com quem trava uma batalha pessoal.

Por tweets parecidos, Musk foi obrigado a deixar a presidência do conselho e pagar US$ 20 milhões

Agora mais algumas frases no Twitter foram suficientes para quebrar um acordo fechado com a própria SEC em setembro de 2018. No dia 19 de fevereiro, ele disse que “a Tesla montou 0 carros em 2011, mas deve fabricar cerca de 500 mil unidades em 2019”.  As estimativas publicadas pela empresa para o Q4 apontaram para um valor menor, entre 360 mil a 400 mil.

Vale lembrar que toda a documentação com esses relatórios também vai para a SEC, que regula o mercado. Ou seja, se você diz algo internamente, mas publicamente apresenta outra conta, isso pode ser considerado uma manipulação do setor, ainda mais quando você tem um canal de comunicação aberto com nada menos que 25 milhões de seguidores.

Por tweets parecidos, quando ele disse que compraria as ações da Tesla a US$ 420 para torná-la privada novamente, Musk foi obrigado a deixar a presidência do conselho para ocupar outro cargo na diretoria, além de arcar com o pagamento de US$ 20 milhões.

Musk “explicou melhor” o tweet

O acordo feito entre a SEC e a Tesla prevê que as publicações de Musk que possam mexer com o mercado sejam pré-aprovadas pela empresa e pelo órgão antes de serem postadas — o que não aconteceu. Apenas 1 dia depois de escrever essa estimativa de 500 mil unidades de veículos Tesla para o final de 2018, a comissão já enviou uma notificação para Musk e a montadora a fim de questionar se houve pré-aprovação antes da publicação desse tweet — como estava no acordo fechado em dezembro do ano passado.

Advogado diz que Musk apenas repetiu o que a Tesla já havia informado

Na sexta-feira (22), o advogado do executivo disse que não e que Musk não precisa de pré-aprovação nesse caso porque estaria apenas repetindo informações já divulgadas pela Tesla. Em um recente release, a empresa comunicou que buscava uma “taxa anual de produção de 500 mil unidades do Model 3 em algum momento entre o quarto trimestre de 2019 e o segundo trimestre de 2020”.

Em seguida, Musk complementou seu post alegando que “quis dizer que a taxa de produção anual no final de 2019 provavelmente ficará em torno de 500 mil unidades, ou seja, de 10 mil por semana” e que “as entregas para o ano ainda seguem na casa das 400 mil”.

Mas isso não “colou” para a SEC. Para a comissão, sua informação inicial não era precisa. Os relatórios que chegaram ao órgão previam que sequer havia uma projeção de taxa anual até o final de 2019 e que isso poderia ser alcançado entre o quatro trimestre deste ano e o segundo do próximo.

E agora?

Bem, esse é apenas mais um capítulo da briga entre a SEC e Musk, que já até insultou o órgão, a quem disse “não respeitar”. A SEC agora apela à Justiça Federal para que fique de olho nessas atividades e imponha penalidades mais pesadas ao executivo — como impedir que ele atue como CEO da Tesla.

Musk e a Tesla seguem sem se pronunciarem a respeito disso até agora e na quarta-feira, mesmo dia da notificação enviada pela SEC, o conselheiro geral da companhia, Dane Butswinkas, anunciou que estava deixando a empresa — ele havia assumido o cargo há apenas 2 meses. Coincidência ou não, o ano começou de forma bem parecida com a que terminou 2018.