No que se refere a armazenamento de dados, existem vários cenários possíveis, cada um com necessidades específicas. Um cientista de dados com uma quantidade pequena de arquivos muito grandes, um desenvolvedor com uma aplicação que precisa fazer várias operações de escrita e leitura em milhares de arquivos ou um administrador de sistemas que tem de manter seu banco de dados sincronizado com seus arquivos locais. Independentemente do caso, manter seus arquivos somente em máquinas físicas próprias se torna inviável, seja por custo de manutenção e aquisição, risco de perdas ou necessidade da disponibilidade de arquivos para mais de uma pessoa a qualquer momento. Assim, o uso de armazenamento em nuvem surgiu como uma solução barata e eficaz, como demonstram os serviços de Cloud Object Storage.

 

Cloud Object Storage é um serviço de armazenamento em nuvem simples, escalável e flexível. Com ele é possível guardar quantidades praticamente ilimitadas de dados, de forma fácil e com custo adaptado a cada necessidade. O serviço ainda garante a integridade das informações e a disponibilidade de acordo com a necessidade do cliente, bem como mecanismos para rapidamente analisar os dados armazenados.

A tecnologia de armazenamento baseado em objetos é um meio de facilitar a manipulação e a análise de dados.

A maior parte da informação criada diariamente é composta de dados não estruturados; ou seja, a informação não possui uma organização própria, permitindo que ela seja facilmente recuperada e identificada de forma automatizada, como ocorre em bancos de dados relacionais. Textos, áudios, vídeos. Os arquivos que possuímos são em sua maioria não estruturados, e a maneira como eles são armazenados só faz sentido para nós mesmos ou para cada aplicação que os utiliza, o que dificulta uma análise ou manipulação rápida e eficiente deles.

No armazenamento baseado em objetos, junto com os arquivos são guardadas informações sobre eles: seus metadados. Esse outro conjunto criado é chamado de objeto. Com essa nova camada de dados acrescentada aos objetos, várias aplicações podem extrair informação dos arquivos de forma automatizada. Além dos metadados, um digest é calculado a partir de uma função hash e guardado com o arquivo. Como o resultado desse hash é diferente caso o arquivo sofra qualquer alteração, é possível verificar a integridade dele, bastando apenas que seja feita a restauração de um backup, tornando o objeto menos suscetível a perda. Por fim, os objetos são guardados em contêineres, ou buckets, de simples escalabilidade. Quando o bucket alcançar o limite de sua capacidade, outro pode ser criado e mais objetos podem ser guardados.

Desse modo, servi ços de Cloud Object Storage possibilitam um fácil acesso a todos os dados, independentemente da necessidade de cada um, e dão garantia de sua integridade. No caso do serviço implementado na plataforma IBM Cloud, ainda são apresentadas três opções de resiliência: Cross Region, Regional e Single Data Center.

No modelo Cross Region, todos os dados são armazenados em três regiões dentro de uma área específica, podendo esta ser Estados Unidos, Europa ou Ásia-Pacífico. No modelo Regional, os dados são guardados em vários Data Centers de uma região específica, como em Dallas, Londres ou Tóquio. Por fim, no modelo Single Data Center os dados ficam em várias máquinas de um Data Center, como o de São Paulo.

Toda essa flexibilidade fornecida pelo armazenamento na nuvem baseado em objetos nos garante a mais variada gama de usos possíveis para a tecnologia, desde um simples backup de arquivos até a análise de Big Data e seu processamento com inteligência artificial.

As aplicações do serviço também podem se estender para a área da medicina, como fez a Universidade de Chicago ao criar um repositório com as informações de mais de 10 mil genomas para serem utilizados na tentativa de encontrar uma cura para o câncer.

O serviço IBM Cloud Object Storage pode ser usado de graça com uma conta IBM Cloud Lite, com limites de operações, ou pagando pelo que for utilizado, com valor baseado em uma das quatro classes de armazenamento, dependendo do nível de acesso à informação: Standard, para dados ativos com vários acessos por mês; Vault, para dados acessados uma vez por mês ou em frequências menores; Cold Vault, para dados acessados poucas vezes por ano; ou o plano Flex, para quantidades imprevisíveis de acesso, reajustado de acordo com a necessidade do cliente.

Veja mais sobre o serviço aqui.