Eis que Elon Musk sentiu na pele nesta terça-feira (16) os resultados de sua temporada mais rebelde até agora como inventor e empreendedor: o fundador da Tesla já havia assinado acordo com a Comissão de Títulos e Câmbios dos Estados Unidos (SEC, na sigla original) para deixar a presidência do conselho da companhia, em setembro, e agora a papelada foi aprovada por um juiz federal. Ele tem 45 dias para deixar o posto.

Provável substituto é James Murdoch, presidente-executivo da 21th Century Fox

O sul-africano concordou em pagar uma multa de US$ 20 milhões e a Tesla também deve pagar US$ 20 milhões, apesar de não ser acusada de fraude. Tudo isso por conta do tweet em que Musk insinuou que compraria ações da companhia e fecharia seu capital — o que foi mal visto por executivos e causou alvoroço no mercado, além de investigação por parte do governo.

O documento prevê que a montadora de veículos elétricos e baterias aponte um novo presidente independente para o conselho, além de dois diretores — também independentes — e um comitê para estabelecer controles sobre as comunicações de Musk, que, como todos sabem, gosta de xingar muito no Twitter. Boatos ventilam a possibilidade de James Murdoch, presidente-executivo da 21th Century Fox, ser o principal candidato a substituto.

A ironia de Musk, que chegou a acusar a SEC de “enriquecer às suas custas”, parece não ter sido incluída no episódio. Vale destacar que, ainda assim, ele continua ocupando um cargo na diretoria e deve permanecer como CEO, só terá mais os poderes de decisão que tinha anteriormente no conselho do grupo