A Anatel revelou no início de julho que o estado do Rio de Janeiro teria seu cronograma de bloqueio de celulares pirata — com IMEI clonado ou inválido — adiantado de 2019 para 2018, mas a agência reguladora não havia confirmado os motivos pelos quais tomou essa decisão. Ontem (06), a Anatel confirmou que o bloqueio tem a ver com a segurança pública na região, mas não deu detalhes mais específicos. Além disso, o Espírito Santo acabou entrando para o cronograma adiantado.

"O bloqueio nos dois estados, que seria realizado no ano que vem, foi antecipado para dezembro deste ano, por motivo de segurança pública", comunicou a agência por meio de sua assessoria de imprensa.

Eles estarão livres do bloqueio até que tenham seus chips SIM trocados

A agência recebeu um pedido do gabinete de intervenção federal no RJ para que realizasse o adiantamento do processo de bloqueio, e o objetivo seria ajudar a reduzir a criminalidade com essa ação. Contudo, não fica claro como exatamente isso pode ajudar de alguma forma a resolver os problemas de segurança pública fluminense. Isso porque a Anatel só vai bloquear celulares piratas ativados a partir de setembro deste ano.

Dessa forma, todos os aparelhos que forem ativados até o fim de agosto poderão continuar funcionando normalmente, a menos que tentem ser ativados com outro número de celular. Em outras palavras, eles estarão livres do bloqueio até que tenham seus chips SIM trocados.

Cronograma de bloqueio

Inicialmente, apenas o estado do RJ teria o cronograma de bloqueio adiantado, mas, agora, a Anatel informa que o Espírito Santo também entrará nesta segunda leva. A primeira realizou bloqueios no início deste ano no estado de Goiás e no Distrito Federal.

Além de RJ e ES, a segunda leva de bloqueios de aparelhos piratas no Brasil vai afetar os seguintes estados: Paraná, Santa Cataria, Rio Grande do Sul, Acre, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Tocantins. Aparelhos piratas dessas regiões começarão a ser notificados do bloqueio no dia 23 de setembro por SMS. O bloqueio acontece efetivamente em 8 de dezembro. O restante das unidades federativas do país fica para 2019.

Celular pirata?

De acordo com as operadoras, aparelhos pirata interferem na qualidade do sinal entregue para todos os clientes de suas redes

Um celular ou smartphone pirata é um aparelho com um número de IMEI (International Mobile Equipment Identity, ou identidade internacional de equipamento móvel) inválido ou clonado. Esses dispositivos não seguem os padrões globais técnicos ou de qualidade e, de acordo com as operadoras, interferem na qualidade do sinal entregue para todos os clientes de suas redes.

Por não contarem com um IMEI válidos, esses aparelhos são vendidos ilegalmente no Brasil e serão gradativamente bloqueados pela Anatel, impedidos de funcionar nas redes de todas as operadoras nacionais.

Para descobrir se seu dispositivo é pirata, acesse este site e consulte o número do seu IMEI. Se ele for inválido ou clonado, a plataforma da Anatel o detectará. Para descobrir o IMEI do seu celular, basta discar *#06#.