Boeing adiou o primeiro grande teste de sua nave espacial dedicada a levar passageiros comuns ao espaço. De acordo com o cronograma inicial, a cápsula de passageiros, chamada de CST-100 Starliner, faria dois voos de teste até a Estação Espacial Internacional (ISS) neste ano. No entanto, os problemas detectados no mecanismo de propulsão do sistema de abortar a missão no mês passado forçaram a empresa a mudar a previsão. Agora, a tendência é que ambos os voos aconteçam somente no próximo ano.

Inicialmente, a Starliner faria seu primeiro voo, não tripulado, em agosto. Em novembro, seria a vez do voo com tripulação. Agora, a expectativa da Boeing é de que o primeiro teste aconteça no final de 2018 ou no começo de 2019. Em seguida, o voo tripulado seria na metade do próximo ano. 

O desenvolvimento da Starliner é parte do Programa de Tripulação Comercial da NASA, com o objetivo de levar passageiros comuns ao espaço. A nave foi projetada para transportar sete passageiros e viajar por meio do foguete Atlas V. No entanto, antes de autorizar o funcionamento do veículo, a NASA quer que a Boeing faça voos tripulados e não tripulados para testar a cápsula e conferir se ela está pronta para viajar até a ISS.

A Boeing ainda precisa fazer outro tipo de teste, destinado a checar o funcionamento do sistema de abortar missão – justamente o que deu problema antes. O mecanismo é crucial porque tem a função de manter os passageiros a salvo caso alguma coisa dê errado na plataforma de lançamento. A Starliner tem quatro motores que podem afastar a nave de um foguete que não esteja funcionando bem. O teste desse sistema, porém, vai acontecer somente após o voo não tripulado.