Uma novela que já durava cerca de dois anos chegou ao fim: a Qualcomm anunciou hoje (26) que desistiu oficialmente da compra da rival holandesa NXP, empresa também especializada na fabricação de chips, mas com peças dedicadas a uso em carros autônomos.

A negociação chega oficialmente ao fim após a Qualcomm não cumprir a sua parte e completar a aquisição após o acordo firmado entre as duas companhias ainda em 2016. Pelo descumprimento, a empresa dos Estados Unidos será obrigada a pagar uma indenização de US$ 2 bilhões à concorrente, revelou o TechRadar.

Segundo o presidente da Qualcomm, Steve Mollenkopf, situações que estavam além do alcance da empresa foram as responsáveis por impedir a aquisição.

“Obviamente fomos pegos por algo que estava acima de nós”, comentou o executivo em entrevista. “Pensamos em seguir em frente, reduzir a quantidade de incerteza nos negócios e aumentar o foco na coisa certa a ser feita com a companhia”, completou.

A CNN informa que a negociação não pôde ser realizada porque não foi aprovada por reguladoras comerciais chinesas. Ainda de acordo com a publicação, a Qualcomm garantiu a recompra de até US$ 30 bilhões em ações, como havia prometido aos acionistas caso a negociação com a NXP falhasse. A empresa holandesa confirmou que fará a recompra de US$ 5 bilhões em ações.

Negócio antigo

A Qualcomm iniciou as conversas para adquirir a NXP ainda em 2016 com uma oferta cujo valor nunca foi confirmado oficialmente — os rumores, porém, apontavam para US$ 30 bilhões na época e que isso teria ultrapassado a casa dos US$ 47 bilhões.

Recentemente, a Qualcomm foi alvo de uma ofensiva de sua rival chinesa Broadcom, que fez uma oferta de US$ 121 bilhões para tentar adquiri-la. Depois disso, o presidente dos EUA Donald Trump vetou a negociação alegando que tal venda seria uma “ameaça a segurança nacional” do país norte-americano.